domingo, 17 de dezembro de 2017

Os Livros mais bonitos da História - "Les trés riches heures du duc de Berry"

 1. - Les trés riches heures du duc de Berry



Les très riches heures du duc de Berry ou simplesmente Les très riches heures (em português: "As riquíssimas horas do duque de Berry")  é um livro de horas ricamente ilustrado. Contém, como todo livro de horas, orações a serem ditas a cada hora canônica do dia. 

Foi encomendado por João, duque de Berry, aproximadamente em 1410. Provavelmente é o mais importante livro de horas do século XV, conhecido como o rei dos manuscritos iluminados.


Ascenção, iluminura 128

Atos 1, 9-11

"9Tendo dito isso, foi elevado às alturas enquanto eles olhavam, e uma nuvem o encobriu da vista deles. 10 E eles ficaram com os olhos fixos no céu enquanto ele subia. De repente surgiram diante deles dois homens vestidos de branco, 11 que lhes disseram: “Galileus, por que vocês estão olhando para o céu? Este mesmo Jesus, que dentre vocês foi elevado aos céus, voltará da mesma forma como o viram subir

Iluminura 128


Nessa iluminura os apóstolos estão à direita, com João e Pedro em primeiro plano, e as mulheres na esquerda com Maria na frente. Jesus está sendo elevado ao céu com um cortejo de anjos, a sua mão direita concede uma benção enquanto a esquerda segura uma fina cruz. Interessante ver que na montanha de onde ele foi elevado, o pintor mostra a marca de seus pés como era uma tradição na época fazer essa representação.


2. - Conteúdo


2.1 - Livro das horas


Livro das horas ou ainda Livro missal é um livro de devoção criado por devotos no final da Idade Média. Em geral, continha o calendário das festas e dos santos, as horas da Virgem, da Cruz, do Espírito Santo e dos mortos (Liturgia das Horas), as orações comuns e os salmos penitenciais. Geralmente eram ricamente ilustrado com iluminuras.



Origem



Esse formato de liturgia surgiu no século VIII quando um dos abades de Carlos Magno, Bento de Aniane, elaborou um complemento ao ofício canônico, a cerimônia preceituada para o culto diário da vida consagrada. O livro englobava o Pequeno Ofício da Abençoada Virgem Maria e continha uma compilação de cerimônias curtas a serem recitadas ao longo do dia em intervalos específicos.


2.2 - Livro das horas do Duc de Berry



De um total de 206 páginas , o manuscrito contém 66 grandes iluminuras e 65 pequenas. Produzido em grande parte pelos irmãos Limbourg da Holanda, e usando os pigmentos mais raros, as pinturas são fortemente influenciadas pela arte italiana e antiga. 

Após um lapso de três séculos, "Les Très Riches Heures" rapidamente ganhou grande fama durante os séculos XIX e XX, apesar de sua rara exibição pública. As iluminuras ajudaram a moldar uma imagem ideal da Idade Média na imaginação coletiva. Este é particularmente o caso das imagens de calendário, que representam cenas camponesas e aristocráticas e elementos da notável arquitetura medieval. Este é um dos manuscritos iluminados mais famosos .



Há trezentas letras maíusculas decoradas. O livro demandou quase um século de dedicação, conduzidos em três diferentes momentos pelos Irmãos Limbourg, Barthélemy van Eyck, e Jean Colombee. Atualmente encontra-se no Château de Chantilly, em França.



Entre outras destacam-se as representações dos meses do ano com os respectivos trabalhos a eles relacionados, quase sempre agrícolas.



Era comum em um livro de horas a presença de figuras representando as estações do ano. Porém, as ilustrações dos meses no Três riches heures tem algo de inovador. Muitas das representações mostram castelos do duque ao fundo  e são repletas de detalhes sobre os divertimentos e sobre os trabalhos do mês . 
m


3. - História

a) Duque de Berry e Irmãos Limbourg

Quando João, o primeiro duque de Berry, encomendou por volta de 1412, o livro "les trés riches heures" aos irmão Limbourg, ele já possuia outros  livros de horas como: "as Belas Horas", feito pelos próprios irmãos Limbourg, "Little Hours of Jean",  "As Horas de Bruxelas", "As horas muito bonitas de Nossa Senhora" de outros autores.

As condições de trabalho reservadas aos três irmãos Limbourg, Paul, Hermann e Jean,  pelo duque, para a confecção desse livro são excepcionais: um contrato exclusivo com o duque, alojamento no seu castelo de Bicêtre, ao sul de Paris, e também em uma casa luxuosa que o duque ofereceu em Bourges . 

Para Raymond Cazelles, curador do museu Condé , os irmãos Limbourg puderam trabalhar nas "riquíssimas horas"  a partir de 1410. 


O Homem Anatômico
Em 1411, um primeiro texto atesta  que os irmãos Limbourg estão a serviço do duque;  Um plano é imediatamente feito e as iluminuras  dos temas retirados do Evangelho são realizadas.

Em 1413, o primeiro plano está completo. Os irmãos então realizam as iluminuras do "ciclo da paixão", bem como quatro iluminuras do calendário e uma série de oito iluminuras excepcionais por seu tamanho e assunto, entre as quais o homem anatômico e o plano de Roma. Os seguintes ítens são dados como certo de realização pelos irmãos Limbourg: O Homem Anatômico, O Paraíso Terrestre, O Encontro dos Magos, A Adoração dos Magos, A Purificação da Virgem, A Queda dos Anjos Rebeldes, O Inferno e O Mapa de Roma.

Todos os irmãos desapareceram  em 1416, talvez como resultado de uma epidemia de peste, sem a conclusão do manuscrito e, em particular, das representações dos meses. Parte do manuscrito ainda conserva traços dessa parada súbita: fólio 26 verso mantém o design de uma íris em uma panela e um pássaro que não tinham sido colorido.



Em 15 de junho do mesmo ano de 1416, seu patrocinador desaparece. Seu inventário após a morte menciona o manuscrito em vários cadernos organizados em uma caixa: De acordo com Millard Meiss , o manuscrito permanece na posse dos reis da França após 1416.


b) Barthélemy d'Eyck

De acordo com o historiador italiano da arte Luciano Bellosi, o manuscrito é parcialmente trabalhado por um pintor que teria trabalhado nele na década de 1440.  As iluminuras de alguns meses: março, junho, setembro, outubro e dezembro - são realizadas ou concluídas neste momento. Esse trabalho é atribuído pelo seu estilo a  Barthélemy d'Eyck embora não haja concordância entre os historiadores sobre essa autoria. 

c) Jean Colombe 

Um texto de 31 de agosto de 1485 testemunha  que o duque de Sabóia chamou o pintor Jean Colombe de Berrichon para completar o manuscrito. Ele certamente o completa em Bourges , em seu estúdio. Ele entrega ao príncipe em seu castelo em Chambéry em 3 de junho de 1486 e pro isso o duque recompensa o trabalho do pintor concedendo-lhe um aluguel de 100 coroas por ano; Estima-se que o trabalho tenha sido concluído e que  Jean Colombe tenha produzido ou terminado 27 grandes iluminuras e 40 pequenas.



d) Proprietário final - Henri d'Orleans

Em 1855, Henri d'Orléans, duc d'Aumale , um dos mais importantes colecionadores de arte de sua época, ouviu falar sobre um livro medieval de horas para venda por ocasião de uma estadia na Itália. Pelo retrato de Jean de Berry no fólio de janeiro, os ursos e cisnes, as flores-de-lys, ele pôde imediatamente dizer para quem o manuscrito original tinha sido feito. No entanto, a questão não ficou clara para qual dos numerosos livros  da propriedade de Berry ele tinha sido encomendado. Somente em 1881 pôde ser claramente definido por Léopold Delisle. Aumale manteve o trabalho guardado e mostrou apenas para alguns convidados escolhidos. Ele legou sua extensa coleção de arte em 1897 ao Institut de Francena na condição de que ele seja mantido reservado. Este compromisso foi cumprido com a construção do Musée Condéem Aumales no Castle Chantilly e mantém-se lá até hoje.


4. - Cenas do Livro de Horas


O livro das horas é organizado e distribuído em doze capítulos da seguinte forma:

Calendário, Quatro perícopes dos Evangelhos, Oração à Virgem, As Horas da Virgem, Salmos Penitenciais, As grandes Ladainhas, As horas da Cruz, As horas do Espírito Santo, O Ofício dos Mortos, O Ofício da Semana, As horas da Paixão, As horas do ano litúrgico;

Desses doze capítulos vamos mostrar um exemplo de oito capítulos diferentes conforme abaixo.



a) Calendário - Meses do Ano


O calendário é provavelmente o conjunto de iluminuras mais famoso do livro, se não de todas as iluminuras da Idade Média. Presente em todos os livros de horas, a programação permite ao leitor  identificar a oração para o dia do ano e sua hora do dia.



Junho


Esta é uma ilustração do trabalho dos camponeses com uma cena da ceifa de feno . Em primeiro plano, uma mulher raspa o feno e outra a ajuda com um garfo. O feno é espalhado todas as manhãs para secar e é recolhido todas as noites em moinhos para evitar a umidade da noite. 



Esta atividade muitas vezes feminina ajuda a facilitar a secagem do feno antes de ser apanhada. Três cortadeiras estão  no fundo à direita, deixando pequenas tiras de grama. O trabalho é feito em pleno sol, e é por isso que todos protegem sua cabeça com um chapéu. As cortadeiras usam uma pequena camisa de pano com fenda nas coxas e trabalham com os pés descalços. 


A cena ocorre nas margens do Sena , num campo localizado no sítio do Nesle Hotel , residência parisiense do duque de Berry. 

De acordo com Meiss, a miniatura, atribuível a Paulo de Limbourg, foi completada por Jean Colombe; 



b) Pericopes dos Evangelhos

Um pericope designa um extrato que forma uma unidade ou um pensamento coerente. 


Seguindo o calendário, o texto apresenta o extrato dos quatro Evangelhos; Damos um exemplo do Evangelho de João, "No princípio era o Verbo";


A iluminura - Evangelho de João - São João em Patmos


Os irmão Limbourg ilustraram esse primeiro extrato com uma grande miniatura representando João na ilha de Patmos, na qual de acordo com a tradição, ele estava exilado pelo imperador Domiciano e onde ele recebeu a revelação que deu origem ao livro do Apocalipse. 


A ilha de Patmos é representada como uma ilha deserta. Três trombetas misteriosas soam aos ouvidos de João. Nas nuvens aparecem o "Filho do Homem", e nos joelhos do Senhor estão uma ovelha e um livro com os sete selos mencionados no Apocalipse. Em torno do trono de Jesus estão sentados 24 anciãos, doze de cada lado, com suas vestes brancas e coroas douradas. 








c) Orações à Virgem Maria



O livro de orações à Virgem Maria abre com uma página onde aparece a Virgem com o menino em uma lua crescente com chamas flamejantes. Na parte de baixo estão representadas uma profetisa e o imperador Augustus de joelho em oração.
Na arte medieval era comum a representação de uma profetisa anunciando o nascimento de Cristo aos pagãos. 

Os irmãos Limbourg foram os primeiros, fora da Itália, a representarem a lenda da consulta de Augusto à profetisa. Essa lenda diz que Augusto fez uma consulta à profetisa justo no dia de nascimento de Cristo. Essa então teve a visão da Virgem com uma criança no centro de um circulo de ouro irradiante ao redor do sol e uma voz que dizia "Aqui é o altar do Filho de Deus." Mostrando a aparição ao Imperador a profetisa falou "Hoje nasceu um rei que será mais poderoso que você". Após ouvir a profecia Augustus renunciou as honras divinas e caiu de joelhos para orar ao Filho de Deus.




d) As horas da Virgem Maria - Fólio 59 "A Coroação da Virgem"


O ciclo devotado a Maria termina com a magnífica Coroação da Virgem, que ilustra a última hora do dia. Nessa iluminura, contra um fundo azul do céu se espalha um arabesco de anjos com asas douradas de um lado, e uma multidão de santos, também com halos dourados, no meio dos quais a Virgem com um manto púrpura contrasta com o Manto azul de Cristo.


Nessa nova concepção da cena, Maria é mostrada de joelhos e sendo coroada por Jesus. Essa forma foi depois muitas vezes utilizada por Fra Angelico. Jesus usa uma coroa, mas acima dele cinco anjos seguram três coroas sombolizando a Trindade Santa.










e) As horas da Cruz



Nesta seção, Cristo é retratado como o Homem das Dores , exibindo feridas e cercado por instrumentos da paixão. Este é um tipo de iconografia comum nos manuscritos do século XIV. Esse fólio abaixo foi realizado por Jean Colombe já que ele inclui o Duque de Savóia.


Homem das Dores , com Duque Charles I de Sabóia e sua esposa de 1485 a 1489; folio 75r





f) Ofício da Semana - (fólio 92 - O Batismo de Cristo)

Nas tres riches heures, uma série de pequenos ofícios para cada dia  da semana seguem o Ofício da Morte.  Cada dia é devotado para um culto particular: Domingo para a Trindade, Quarte-feira para os santos, ...,. As iluminuras dessa seção foram feitas todas por Jean Colombe.


Para o Ofício do Domingo, o artista pintou o "Batismo de Cristo". Na cena o artista procurou retratar a porção do Evangelho que dizia "Eis o meu filho muito amado no qual coloco todo o meu amor". 

O artista procurou de uma maneira simples colocar Jesus no centro, com o céu se abrindo e aparacendo Deus pai, enviando o Espírito Santo na forma de uma pomba.




g) As horas da Paixão - (fólio 107 - "Cristo no Gêthsemane")

No livro, as horas da paixão seguem uma série de pequenos serviços diários. O ciclo começa pela manhã e a cena mostra o cristo no Getsemani. Essa é uma das iluminuras noturnas mais bonitas já realizada. No meio da noite escura, com os soldados caídos, sobre Cristo brilha o seu halo contra o fundo do céu estrelado. De todo o grupo, somente São Pedro está de pé, pronto para defender o Senhor. 

Essa iluminura além da descrição da cena transmite uma profunda religiosidade.





h) As horas do ano litúrgico - (fólio 124 - "Alimentando a Multidão" ) 


Seguindo as horas da paixão, uma série de celebrações dedicadas aos eventos mais importantes do ano completam o manuscrito. Abaixo mostramos o Milagre dos Peixes ou  "Alimentando a Multidão" em fólio realizado pelos irmãos Limbourg.

Na cena são apresentados a Jesus, cinco pães e dois peixes. Ele os abençoa e manda os discípulos distribuirem para todos. O resultado é que todos são alimentados e ainda sobram peixes e pães. Do céu abençoando a cena podemos ver Deus Pai, unido a Cristo pelo Espírito Santo.





5. - Referências


Texto compilado da Wikipedia  - Les Trés Riches Heures, wikipedia francesa.

Livro das horas em exemplar publicado por Longon, Caselles e Meiss e vendido pela Amazon.com. Preço em torno de US$ 54,00 o exemplar novo.



https://artrianon.com/2017/01/24/obra-de-arte-da-semana-o-manuscrito-les-tres-riches-heures-du-duc-de-berry/


sábado, 2 de dezembro de 2017

Help ! Em três Versões

1. - Help ! -  The Beatles




Help! é uma canção dos Beatles, composta por John Lennon, mas creditada à dupla Lennon-McCartney. Foi lançada em compacto, em 1965, tendo a canção "I'm Down" como lado B. Ela também integra o álbum e o filme de mesmo nome. 


Capa do Álbum Help
 
Uma das músicas mais emblemáticas do grupo, obteve bastante sucesso após o seu lançamento e atingiu inclusive o 1º lugar no Billboard Hot 100 e no Top de Singles do Reino Unido. A Rolling Stone colocou-o em 29º na sua Lista das 500 melhores canções de todos os tempos da Revista Rolling Stone. (fonte: Wikipedia)



Comentário de John sobre Help


John Lennon declarou em dezembro de 1970, que Help era das poucas músicas que ele tinha orgulho de ter escrito. Ele falou que Help e Strawberry Fields foram inscritas baseadas em sua experiência e não em uma história projetada ou criada. Ele ainda comentava que a letra de Help continuava boa desde a época que foi escrita e ainda na atualidade. Além disso ele se orgulhava de tê-la escrito em seu perfeito domínio. 
John  a escreveu depois de saber o nome que seria dado ao segundo filme dos Beatles. No ínício a canção seria um pouco mais lenta, mas depois de trabalhar um pouco com Paul ela adquiriu o ritmo atual.

John também falou: "Quando 'Help!' Saiu, eu estava chorando por ajuda. A maioria das pessoas pensa que é apenas uma música rápida de rock'n'roll. Eu não percebi na época, acabei de escrever naquele momento porque fui encarregado de escrevê-la para o filme. Mas depois, eu sabia que realmente estava pedindo ajuda. Foi o meu período de gordura Elvis. Você vê o filme, ele - eu - é muito gordo, muito inseguro, e ele se perdeu completamente. E eu estou cantando sobre quando eu era muito mais jovem e todo o resto, olhando para trás o quão fácil era. Eu estava gordo e eu estava chorando por help." (fonte: http://www.beatlesebooks.com/help!)






Paradas de Sucesso

Em termos de "singles" número um, o Beatles foi o grupo mais bem-sucedido da época, emplacando dezessete canções na primeira colocação.  O recorde de permanência de um "single" no 1° lugar foi de oito semanas, e isso ocorreu em três ocasiões: com "It's Now or Never" de Elvis Presley em 1960, com "Wonderful Land" do The Shadows em 1962, e com "Sugar, Sugar" do The Archies em 1969. A canção "She Loves You" do Beatles tornou-se o single mais vendido de todos os tempos em 1963, recorde mantido até 1977, quando o Wings, banda de Paul McCartney, superou-o com "Mull of Kintyre".

 

2. - Gravação Original


Créditos:
John Lennon: vocal, guitarra rítmica
Paul McCartney: backing vocal, contrabaixo
George Harrison: backing vocal, guitarra solo
Ringo Starr: bateria





3. Letra  (Tradução Vagalume)





Help! I need somebody
Help! Not just anybody
Help! You know I need someone
Help!

When I was younger so much younger than today I never needed anybody's help in any way
But now these days are gone
 I'm not so self assured
Now I find I've changed my mind
 I've opened up the doors


Help me if you can I'm feeling down
And I do appreciate you being 'round
Help me get my feet back on the ground
Won't you please, please, help me?


And now my life has changed in so many ways My independence seems to vanish in the haze
But every now and then I feel so insecure
 I know that
I just need you like
I've never done before



Help me if you can I'm feeling down
And I do appreciate you being 'round
Help me get my feet back on the ground
Won't you please, please, help me?



When I was younger so much younger than today
I never needed anybody's help in any way         But now these days are gone
I'm not so self assured
Now I find I've changed my mind
I've opened up the doors


Help me if you can I'm feeling down
And I do appreciate you being 'round
Help me get my feet back on the ground
Won't you please, please, help me, help me, help me? Oh



Socorro! Eu preciso de alguém
Socorro! Não de qualquer pessoa
Socorro! Você sabe que eu preciso de alguém
Socorro!

Quando eu era jovem, muito mais jovem do que hoje
Eu nunca precisei da ajuda de ninguém para nada
Mas agora esses dias se foram
E eu não estou tão seguro de mim mesmo
Agora eu decidi mudar meus pensamentos
E abri as portas

Ajude-me se você puder, estou me sentindo desanimado
Eu gostaria de ter você por perto
Ajude-me a colocar meus pés de volta ao chão
Você não vai, por favor, por favor, me ajudar?

Agora minha vida mudou de muitas maneiras
Minha independência parece desaparecer na neblina
E cada vez que isso acontece, eu me sinto muito inseguro
Só sei que eu preciso de você
Como eu nunca tinha feito antes

Ajude-me se você puder, estou me sentindo desanimado
Eu gostaria de ter você por perto
Ajude-me a colocar meus pés de volta ao chão
Você não vai, por favor, por favor, me ajudar?

Quando eu era jovem, muito mais jovem do que hoje
Eu nunca precisei da ajuda de ninguém para nada
Mas agora esses dias se foram
E eu não estou tão seguro de mim mesmo
Agora eu decidi mudar meus pensamentos
E abri as portas

Ajude-me se você puder, estou me sentindo desanimado
Eu gostaria de ter você por perto
Ajude-me a colocar meus pés de volta ao chão
Você não vai, por favor, me ajudar, me ajudar, me ajudar?

                                                               

4. - Outras versões

 

4.1 - Tina Turner





 4.2 - Noel Galagher 

Diz-se que essa era a forma original que John Lennon pretendia gravar.


 

4.3  - Caetano Veloso

Uma forma ainda mais lenta.




 

 5. - Outras versões famosas

 

Bono Vox e U2 -https://youtu.be/EQsdlbV4jms

Deep Purple - https://youtu.be/WBugcmKpO2o

 

6. - Referências 


Help - The Beatles, direitos autorais Johne Lennon e Paul McCartney, vídeos youtube

Wikipedia - Premiações e paradas de sucesso

Comentários John Lennon: http://www.beatlesebooks.com/help!