quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

Os destaques de 2016 em HistoriacomGosto

I - Introdução



Como sou engenheiro, tenho tendência a resumir, aprofundar, fazer lista, classificar, trabalhar com números, etc. Esse blog contrabalança o lado racionalista e me traz à tona o lado humanista de apreciar a arte, arquitetura, música e valorizar tudo que é bonito e do bem. A criatividade humana me fascina e ainda mais quando é em áreas em que não tenho habilidade nenhuma como o desenho e a pintura. Acompanhando as grandes publicações que fazem retrospectiva do ano, resolvi fazer uma brincadeira e aplicar essa idéia ao nosso ano no blog criando alguns destaques nas áreas que referenciamos. Acompanhem e deem retorno.


II - A publicação que teve mais curtidas no ano.


Sem dúvida uma cidade bonita, charmosa e cheia de história. Entretanto é surpreendente o grau de admiração que Bruges detém. Por duas vezes  que publicamos  sobre Bruges, Bélgica, a aceitação foi imediata e extraordinariamente grande. A maior de todo o ano. 

Bruges, Belgica, foto de Lena Serditova
Link para "Bruges - um cantinho romântico ..."
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2016/11/bruges-um-cantinho-romantico-no-tempo-e.html

III. - Minha surpresa


Eu estava com a pendência de fazer uma publicação sobre Barcelona há algum tempo. A dificuldade era que a história de Barcelona e da Espanha são muito complexas devido às várias mudanças de governantes, regimes, ...,.  Para se ter uma idéia o site oficial da Prefeitura de Barcelona traz a sua história dividida em 45 capítulos. Após a leitura desse site tomei coragem e decidi utlizá-lo como referência e publicar em quatro etapas.  Tive bastante trabalho para resumir e fazer o primeiro post, entretanto, a aceitação foi excelente. Foi uma grata surpresa.




Aguardem o segundo post.


IV. - O destaque de vídeo:  "A morte do cisne"


Quando comecei a fazer um post sobre o Teatro Mariinski, decidi não só referenciar ao seu espaço físico mas incluir também a exibição de alguns grandes talentos revelados na Companhia Oficial do Teatro ou que lá se apresentaram.  O "lago do cisnes", com a apresentação de Ulyana Lopatkina é emocionante. 



V - A pintura em destaque - "O retorno do filho pródigo" de Rembrandt


Um dos maiores pintores de todos os tempos, Rembrandt consegue mostrar nesse quadro do "O Retorno do filho pródigo" toda gama de emoções contida em uma das mais belas parábolas bíblicas. 

O retorno do filho pródigo, Rembrandt, Museu Hermitage

Link para "O retorno do filho pródigo de Rembrandt"


VI - O destaque na música - "Ária na corda de sol" de Bach.



O grande nome da música barroca Johann Sebastian Bach, compôs para o príncipe Leopoldo, no período entre 1717 e 1723, essa linda peça musical que  enleva a todos que a ouvem. Essa gravação do Maestro Karajan é uma das mais bonitas. 




Link Obra de Johann Sebastian Bach:
http://historiacomgosto.blogspot.com.br/2016/10/musica-barroca-musica-de-johann_13.html


VII - A arquitetura de destaque - Aeroporto de Madrid Bahajas


O aeroporto de Madrid foi o destaque na  arquitetura de espaços públicos. Depois do embarque ele apresenta espaços muito bonitos.   


Link para "Aeroporto de Madrid Bahajas": 

VIII - Esperava mais ...


A arte de Portinari


Tenho uma admiração imensa por Portinari. A sua obra é riquíssima e muito bonita. Quando publiquei o post sobre a sua arte obtivemos poucos comentários a respeito. Pareceu-me que a sua obra é pouco conhecida / pouco divugada. Voltarei a abordar o tema em 2017.


O Quarteto, Portinari, 1943, coleção particular


Link - Obra de Candido Portinari:


IX - Algumas coisas que não comprendi dos nossos leitores - Onde estão os 90% ?


Quando tínhamos 5.000 pessoas que acompanhavam a nossa página, apenas 10% curtiam as nossas publicações. Com 14.000 pessoas acompanhando continuamos com 10% das pessoas curtindo. Estatisticamente é interessante e válido. O que não entendo é por que temos 90 % que curtem a página mas não gostam de nossas publicações ? Publicamos sobre história, arte, arquitetura e me inquieta ter  um público silencioso que não conheço a preferência.



X - O que me agrada nos leitores

O grau de educação e respeito que foi cultivado em relação aos comentários publicados. Tanto em relação aos outros leitores mas também conosco. Já cometi erros que foram apontados e corrigidos sem nenhum constrangimento. Continuemos assim.

XI - Espero mais ...


- Acompanhamento 1: Gostaria que mais pessoas, das que já curtem, "seguissem" a página pois diminue o nosso trabalho / custo de divulgação. 

- Acompanhamento 2: As pessoas convidadas que acompanham todas as publicações facilitariam muito se "seguissem" ou "curtissem" a página.



- Interatividade 1: Gostaria também que mais pessoas, incluindo as que nos acompanham desde o início, participassem mais nos comentários e contribuições.

- Interatividade 2: Digam alô, boa semana, feliz natal. Ficamos sempre felizes com essa interação carinhosa e respeitosa. 



XII - O que teremos em 2017


Basicamente seguiremos a linha de publicação mantida até agora. Procuraremos sempre diversificar entre história, arte, arquitetura, viagem, ...,.

Agradecemos os incentivos e o carinho recebido e desejamos a todos um feliz 2017. Que seja o ano da recuperação brasileira na economia, na moral, na confiança e na autoestima.

Até lá,

HistóriacomGosto



terça-feira, 27 de dezembro de 2016

"Perdido na Tradução" - Um Livro de Ella Frances Sanders

I - Introdução



"Em um mundo altamente conectado e comunicativo, temos mais maneiras do que nunca de nos expressar, de dizer aos outros como nos sentimos e de explicar a importância ou a insignificância de nossos dias. A velocidade e a frequência de nossas trocas deixam espaço suficiente para mal-entendidos, porém, e agora talvez mais do que nunca, o que realmente queremos dizer se perde na tradução. 

As palavras neste livro podem ser respostas a perguntas que você nem sabia perguntar, e talvez algumas que você tenha feito. Eles podem identificar emoções e experiências que pareciam indescritíveis, ou podem fazer com que você se lembre de uma pessoa que você tenha esquecido há muito tempo. 

Se você tirar alguma coisa desse livro, deixe que seja a afirmação que você é humano, que você está ligado a cada pessoa do planeta através de linguagem e dos sentimentos. 

Espero que este livro ajude a encontrar algumas partes perdidas há muito tempo dentro de si, que traz à mente boas lembranças, ou que ajuda a colocar em palavras pensamentos e sentimentos aquilo que você nunca poderia expressar claramente antes."


Autora: Ella Frances Sanders


No livro, Ella Frances faz as ilustrações de várias palavras escolhidas, que tem um significado específico na língua apresentada. 


II -  Exemplos de Expressões com Sentidos específicos em algumas línguas


 Boketto


"Boketto" é uma palavra japonesa sem uma tradução exata para inglês / português. A idéia por trás da palavra é "contemplar o céu sem um pensamento específico. Se deixar perder na distância."




Tsundoku



Tsundoku, que também é uma palavra japonesa, representa o ato de comprar um livro e sem lê-lo, empilhá-lo junto a outros também não lidos.





- Iktsuarpork

Iktsuarpok é uma palavra que vem do inuíte (região do Ártico na América do Norte), e representa o ato de "impacientemente, ir ao lado de fora da casa, repetidamente, checar se alguém que você espera está vindo."




- Mangata


Palavra sueca usada para descrever o caminho de luz proporcionado pela reflexão da luz da lua na superfície da água





- Wabi-Sabi



Palavra japonesa que representa a aceitação do ciclo de vida e morte passando a descobrir a beleza nas imperfeições.



- Forelsket

A indescritível euforia experimentada quando você começa a sentir apaixonado. Termo norueguês;






- Saudade


Palavra em português que representa a falta que se sente de uma pessoa ou de uma coisa amada mas que está longe ou não se tem mais.  




Observação: A língua japonesa tem três formas de escrita - Katakana, Hiragana e Kanji. As duas primeiras formas escritas são formadas por sílabas e normalmente se usa para se referenciar a coisas estrangeiras. O Kanji que é a forma normal utilizada, é constituída por ideogramas onde cada símbolo representa uma idéia e a combinação de dois deles pode formar uma frase com sentido diverso. 


Refiro-me a isso pois das sete palavras apresentadas, três são japonesas. Isso tem a ver justamente com o fato de que no Kanji a palavra representa uma idéia.


Obviamente temos palavras em várias línguas, mas esse fato me chamou a atenção.


III - Referências


Lost in Translation - Livro de Ella Frances Sanders


quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

O Mercado de Especiarias de Istambul

I - Mercados do Mundo - Mercado de Especiarias, Istambul


O Mercado/Bazar das Especiarias, ou Bazar Egípcio, é um dos bazares mais antigos e  dos maiores de Istambul. Apenas o Grande Bazar, que vende de tudo um pouco, é maior que ele em dimensões. Está situado no bairro de Eminönü, distrito de Fatih, junto à Mesquita Yeni, da Ponte de Gálata e próximo da Estação de Sirkeci.

Mercado de Especiarias, Istambul, foto de HistoriacomGosto

Nesse mercado, em Istambul, são vendidas várias especiarias, algumas com preços bem elevados. Nos tabuleiros da foto estão exibidas várias que  conhecemos. O que normalmente não sabemos é que uma delas, o açafrão verdadeiro, pode custar entre US$ 12,5 e US$ 25 o grama. Isso significa entre R$ 50.000,00 e R$ 100.000,00 o kilograma. Essa especiaria está entre as vinte substâncias mais caras de todo o planeta. O ouro por exemplo custa hoje em torno de R$ 135.000,00 o kilograma.


Entrada do Bazar
Corredor do Bazar

II - O Açafrão Verdadeiro


O açafrão verdadeiro


O açafrão verdadeiro é feito dos estigmas das flores de Azafrán (Crocus sativus), uma planta da família das Iridáceas. Utilizado desde a antiguidade, principalmente na culinária do mediterrâneo, é uma especiaria essencial à paella espanhola.


Flor de Açafrão, foto de FotoCuisinette em Shutterstock.com


Por que o Açafrão verdadeiro é tão caro ?

Ela é a mais cara do mundo uma vez que, para se obter um quilograma, são processadas manualmente cerca de 150.000 flores, sendo preciso cultivar uma área de aproximadamente 2000 m².


Colheita do Açafrão em Madridejos, Toledo, Espanha - foto de David Blazquez Cea em shutterstock.com


Quais as diferentes espécies de Açafrão ?

Existem dois tipos de açafrão. O açafrão verdadeiro e o açafrão-da-terra, também chamado de cúrcuma. O açafrão-da-terra é usado no curry, para dar cor em arroz, ...,. O açafrão-da-terra é o que usamos rotineiramente aqui no Brasil. O açafrão verdadeiro é feito dos pistilos das flores Crocus sativus que são avermelhados. O açafrão verdadeiro é muito usado nas paellas espanholas.
Os maiores produtores mundiais do açafrão verdadeiro são a Espanha, França, Grécia, Itália, India e Irã.

Plantação de Açafrão, foto de GTS em shutterstock.com

Cuidado na diferenciação

O custo real do açafrão verdadeiro varia muito. Em média ele varia entre R$ 50,00 até R$ 100,00 o grama, dependendo da origem, qualidade, onde é comprado e do valor do dólar. Deve ser bem pesquisado a confiabilidade do vendedor, pois qualquer compra acima de um grama já é bastante dinheiro.
O açafrão-da-terra custa em torno de R$ 16,00 o kilograma.
Obs 1: Nunca comprei o açafrão verdadeiro por isso não tenho experiência pessoal. Vi em Istambul, no mercado de especiarias, esses preços elevados. Quanto aos sabores, acho que o curry (açafrão-da-terra) e a paella espanhola (açafrão verdadeiro) são bons exemplos dessa diferenciação.
Obs 2: Segundo os especialistas 0,1 g de açafrão verdadeiro é suficiente para preparar uma paella para quatro pessoas.

III - Frutas e Doces no Mercado


Frutas secas como figos e tâmaras são muito comuns no mercado de especiarias. Além disso os famosos doces turcos são uma fonte de deliciosas experiências sensoriais.


Alguns doces turcos

- Baklavas / Estilo folhado com Mel


Com vários recheios, ao mesmo tempo crocantes e macias, formam um mix de textura no paladar. Recomenda-se o de pistache duplo (double pistacchio) e de chocolate com castanhas.  








- Delícias Turcas / Turkish Delights / Balas de Goma / Lokum

Esses doces de goma do tipo "jujuba" ou "torrone"  são uma delícia pois a medida que começamos a mastigar eles vão se dissolvendo na boca e apresentando o gosto  de castanhas, pistaches, ...,.



Vejam também (http://www.flashesdeviagem.com.br/2013/03/comida-na-turquia-do-kebab-aos-doces.html

IV - Utensílios para Café e Chá


No Mercado é possível comprar toda espécie de jogos de chá e café. Existem nos mais variados formatos e preços. É uma lembrança inconfundível um pequeno jogo com bule e xícaras de chá.


O Tradicional Tchai

O chá turco é uma espécie de chá preto que vem sempre com cubinhos de açúcar para adoçar. Servido quente e em pequenas xícaras / copos em forma de tulipa, normalmente vem acompanhado dos doces turcos.


Em resumo o passeio ao Bazar de Especiarias é uma visita imperdível para quem vai a Istambul.


IV - Referências


Fontes: pt.wikipedia.orgwww.petitgastro.com.brwww.globo.com.br,
Fotos: Bazar em Istambul = historiacomgosto
Flor de Açafrão = FotoCuisinette / Plantação = @GTs e Separação = @ David Blazquez Cea, todos em Shutterstock
http://www.flashesdeviagem.com.br/2013/03/comida-na-turquia-do-kebab-aos-doces.html

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

As mais belas pinturas de Natal

I - A Natividade na Arte



A Natividade de Cristo tem sido um tema maior na arte Ocidental desde o século IV. As representações artísticas da Natividade, ou nascimento de Jesus, celebradas durante o Natal, são baseadas nas narrativas da Bíblia, sobretudo nos evangelhos de Mateus e Lucas, e mais tarde desenvolvidas pela tradição oral, escrita e artística.

A arte Cristã compreende imensas formas de representação da Virgem Maria e do menino Jesus. Uma parte significativa são composições que representam a Virgem e o Menino, enquanto que uma parte menor são representações diretas de cenas da Natividade 

Nessa data que celebramos a vinda do Cristo Salvador, fizemos uma pesquisa e resolvemos publicar os quadros que achamos como os  mais bonitos e representativos sobre o Natal. Incluimos alguns da adoração dos reis magos / pastores tendo  em vista que eles representam o mesmo evento grandioso que é o nascimento de Jesus.


II - As Pinturas


II.1 -  "A natividade com doadores e os santos Jerônimo e Leonardo",  Gerard David pintor holandês. Obra acabada entre 1510 e 1515, atualmente no MET NYC.


Como uma característica holandesa no tratamento da natividade de Cristo, David foca a atenção no mistério da encarnação que é: O nascimento de Cristo para redenção da humanidade.

Apesar do momento alegre, os personagens mantém uma expressão sombria como prevendo todo o sofirmento e sacrifício de Jesus.  O feixe de grãos paralelo à manjedoura refere-se a João 6:41: "Eu sou o pão que desceu do céu." 

Os dois doadores, que são apresentados pelos Santos Jerônimo e Leonardo, permaneceram não identificados. Eles poderiam ter sido chamados Catarina e Antônio, uma vez que eles são pintados com os atributos de santos com esses nomes



II.2 -  Natividade, Antonio Corregio


A Natividade (também conhecida como A Noite Santa, ou como Adoração dos pastores) é uma pintura terminada por volta de 1529-1530 pelo pintor italiano Antonio da Correggio . Pertence a coleção da Gemäldegalerie Alte Meister , Dresden .




O trabalho foi encomendado a partir de Correggio em outubro 1522 por Alberto Pratoneri para a capela da família, na igreja de San Prospero de Reggio Emilia : concluída no final da década, ele foi colocado na capela em 1530. Ele foi transferido para a galeria de Dresden em 1746.

O artista, seguindo o caminho traçado por uma série de obras célebres de Ticiano, interpretou a cena à luz de velas e produziu um resultado com excelente tratamento da luz com efeitos claro escuro. A criança, rodeada pelos braços de Maria, tem um grupo de pastores na esquerda e a figura barbada parece representar São Jerônimo. À direita são os tradicionais  animais de presépio e São José. A parte superior esquerda apresenta vários anjos. 

II.3 -  "Natividade", de Lorenzo Lotto, pintor veneziano. Obra finalizada em 1523. Atualmente na Galeria Nacional de Washington.


A pintura de Lorenzo Lotto é uma pintura renascentista representando Maria, José e o menino Jesus. Nessa pintura a óleo nós vemos três anjos consultando uma espécie de lista e um crucifixo à esquerda. É um quadro típico representando a natividade.

Essa pintura foi usada em 1970 pelo Correio dos Estados Unidos como um de seus selos anuais de Natal. 




II.4 -  Natividade, Tintoretto, 1550~1570, Museum of Fine Arts, Boston


Tintoretto tornou-se famoso durante sua vida por cobrir grandes superfícies com pinceladas rápidas. Aqui, ele mostrou seu talento para retratar a viagem dos Reis Magos para ver o menino Jesus e a anunciação do nascimento da criança aos pastores. As figuras musculosas que se aglomeram em torno da criança também são típicos do estilo poderoso de Tintoretto. A mulher mais velha do lado direito pode ser Santa Ana, mãe da Virgem Maria. Embora a maioria dos vasta produção de Tintoretto permanece em Veneza, sua influência foi internacional, como visto em muitas das pinturas posteriores. 



II.5 -  "Natividade", por Giotto, pintor italiano, capela de la Scrovegni. Obra realizada entre 1303 e 1305.



O quadro Natividade faz parte da Capela Scrovegni em Pádua pintada por Giotto entre 1303 e 1305. A Capela foi dedicada à Nossa Senhora da Caridade. Ela foi construída como um vão livre com 20,80m de comprimento, 8,40m de largura e 12,80m de altura.
Para a pintura da Capela com afrescos, foi convidado o pintor florentino Giotto di Bondonne que havia trabalhado com os franciscanos em Assis, Rimini e tinha sido chamado à Pádua para pintar alguns espaços na Basílica de Santo Antônio.




II.6 - "A Natividade Mística", Sandro Boticcelli, 1500 a 1501.


A Natividade Mística descreve uma cena de alegria e celebração, de alegria terrestre e celeste, com anjos dançando no topo da pintura. No topo da pintura o nome de Botticelli - mas também as palavras apocalípticas e preocupantes. E também há premonições obscuras - a criança indefesa repousa sobre uma folha que evoca uma mortalha em que seu corpo um dia vai ser enrolado, enquanto a caverna em que a cena é montada chama a atenção para o seu túmulo. 



Os Reis à esquerda não têm ofertas, mas a própria devoção. Na parte superior da pintura doze anjos vestidos nas cores da fé, esperança e caridade dançam em círculo, segurando ramos de oliveira, e acima deles o céu aberto numa grande cúpula dourada, enquanto na parte inferior da pintura, três anjos abraçam três homens. Eles sustentam pergaminhos em latim, "paz na terra aos homens de boa vontade ". Atrás deles, sete demónios fogem para o submundo, alguns empalados nas suas próprias armas. 

"Nos tempos da Renascença pinturas do Juízo Final mostravam aos espectadores a contagem dos condenados e os que se salvam no momento da Segunda Vinda de Cristo. A Natividade Mística põe-nos a pensar  não  só no nascimento de Cristo, mas também no seu retorno .. "(Jonathan Nelson, da Universidade de Syracuse, em Florença).


II.7 -  "Adoração dos pastores", por Giorgioni, pintor italiano. (Obra acabada entre 1505 e 1510. Atualmente na Galeria Nacional de Arte de Washington.)







A adoração dos pastores , é uma pintura do pintor italiano renascentista Giorgione , concluída entre 1505 a 1510. No início pensava-se ser de Ticiano, mas agora o normal é ela ser atribuída a Giorgione.  É certamente uma pintura veneziana desse período. Ela é exibida na Galeria Nacional de Arte de Washington, DC , Estados Unidos .


II.8 - A adoração dos Magos - Caravaggio



A adoração dos pastores é um óleo sobre tela pintado pelo artista italiano Michelangelo Merisi, conhecido como Caravaggio . A adoração dos pastores mede 83,07 x 123,62. Ele foi contratado para os capuchinhos franciscanos  e foi pintado em Messina para a Igreja de Santa Maria degli Angeli, em 1609 apenas um ano antes da morte de Caravaggio.




"A pintura é um presépio simples, com palha no chão e um boi e jumento no fundo. Maria encontra-se com seu bebê, e José introduz os pastores à sua família. Em comparação com outros quadros de Maria,  ela parece com o cabelo desarrumado e cansada (como se ela tivesse acabado de dar à luz no estábulo.) - O xale deslizou de seus ombros, e ela se inclina cansada contra a manjedoura e então ela segura o recém-nascido Jesus. No lado esquerdo da pintura há uma cesta contendo um pouco de pão, um pedaço de pano e as ferramentas de um carpinteiro - juntos, eles reforçam a normalidade da situação.

Caravaggio não pintou uma natividade abstrata. Mesmo o embotamento das cores faz com que a imagem fique importante. Nela há indícios de que algo mais está acontecendo o pastor com metade das vestes abertas aperta as mãos em adoração quando ele olha para o menino Jesus; Este bebê é o que eles vieram para encontrar, e foi anunciado a eles pelos anjos. E dois personagens na pintura usam halos, representando a sua santidade . Uma delas é Maria, a mãe de Jesus. Você esperaria o outro a ser o próprio Cristo, mas ele é retratado como apenas um bebê normal. A outra figura na pintura com um halo é um dos pastores. Parece que Caravaggio quer honrar a humildade e obediência dos pastores da maneira que eles vêm  adorar a Cristo."  (Gareth´'s Art Blog - https://garethleaney.wordpress.com/2010/12/18/the-art-of-christmas-i-painting/

II.9 - Adoração dos Pastores - Guido Reni


"Então eles chegaram e acharam Maria e José, e a criança deitada na mangedoura." (Lucas 2.16) - Quadro de Guido Reni (1575-1642). Museo Nazionale di San Martino, Nápoles.




Guido Reni (Bolonha, 4 de novembro de 1575 — 8 de agosto de 1642) foi um famoso pintor do Barroco italiano.



Formado inicialmente em música pelo pai, Daniele Reni, musicista a serviço da Signoria de Bolonha, Guido estudou pintura de 1584 a 1593 no ateliê do pintor flamengo Denis Calvaert, já então há muito instalado em Bolonha.


II.10 - Adoração dos Reis Magos - El Greco, 1612 a 1614, Museu do Prado em Madrid.


A adoração dos pastores é uma pintura do tradicional tema cristão que foi pintado durante o último ano da vida de  El Greco. A pintura é uma versão menor de um trabalho que o artista fez para a sua própria tumba na igreja de Santo Domingo el Antiguo em Toledo . A assinatura de El Greco, em grego , pode ser visto no canto inferior esquerdo.  






A distorção extrema de corpo caracteriza a adoração dos pastores, como todas as últimas pinturas de El Greco. As brilhantes, cores "dissonantes" e as formas estranhas e poses criam um sentimento de admiração e êxtase. Os pastores e anjos celebram o milagre da criança recém-nascida.  O Menino Jesus parece emitir uma luz que ilumina  os rostos dos pastores descalços que se reuniram para prestar homenagem ao seu nascimento milagroso.


III - Referências


Wikipedia - Textos




Gareth's Art Blog - https://garethleaney.wordpress.com/2010/12/18/the-art-of-christmas-i-painting/

Correggio - The Holy Night - Google Art Project - Nativity (Correggio) - Wikipediaen.wikipedia.org

Giorgione - Adoration of the Shepherds - National Gallery of Art - Adoration of the Shepherds (Giorgione) - Wikipediaen.wikipedia.org

Nativity by Lorenzo Lotto - ReusableArt.comwww.reusableart.com

The Adoration of the Shepherds (El Greco) - Wikipediaen.wikipedia.org

Adoration of the Shepherds (Caravaggio) - Wikipediaen.wikipedia.org

Nativity by Tintoretto - http://www.mfa.org/collections/object/the-nativity-32992



quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

Itacoatiaras do Ingá

I - Ingá, a árvore e o município na  Paraíba


a) O Ingá / Inganzeira


O ingá, também chamado(a) ingazeira, é uma árvore do gênero Inga. "Ingá" também designa o fruto da árvore: uma longa vagem que contém sementes envolvidas por uma polpa muitas vezes comestível. É muito comum nas margens de rios e lagos, sendo muito procurado pela fauna e pelo homem por suas sementes envolvidas por polpa branca e adocicada. O ingazeiro costuma apresentar floração mais de uma vez por ano.


Ingazeira frondosa 
semente de ingá

São conhecidas cerca de 300 espécies do gênero Inga. O atual centro de diversidade do gênero é a floresta amazônica, mas o gênero possui representantes no México, Antilhas e em toda a América do Sul, sendo um gênero exclusivamente neotropical. Em geral, os ingás preferem nascer às margens dos rios, devido à grande quantidade de sementes levadas e depositadas nas várzeas pelas enchentes.



b) O Município


Ingá é um município brasileiro localizado na Região Metropolitana de Campina Grande, estado da Paraíba. Sua população em 2011 foi estimada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em 18.234 habitantes,distribuídos em 288 km² de área.





A denominação Ingá, segundo alguns historiadores, originou-se do tupi-guarani, e significa cheio d'água. Sua formação administrativa começa com a criação do distrito denominado Vila do Imperador, pela lei provincial nº 2 e depois, é elevada a vila com mesmo nome pela lei provincial nº 6 de 3 de novembro de 1840.

c) A Terra das Itacoatiaras  



O município de Ingá é conhecido por suas itacoatiaras, inscrições rupestres feitas em pedras, provavelmente, pelos indígenas, muito antes dos europeus chegarem ao continente americano. Não se conseguiu ainda decifrar o significado de tais inscrições.








II - O sítio arqueológico



O termo "itacoatiara" vem da língua tupi: itá ("pedra") e kûatiara ("riscada" ou "pintada"). De acordo com a tradição, quando os índios potiguaras que habitavam a região foram indagados pelos colonizadores europeus sobre o que significavam os sinais inscritos na rocha, usaram esse termo para se referir aos mesmos.

A formação rochosa em gnaisse cobre uma área de cerca de 250 m². No seu conjunto principal, um paredão vertical de 50 metros de comprimento por 3 metros de altura, e nas áreas adjacentes, há inúmeras inscrições cujos significados ainda são desconhecidos. Neste conjunto estão entalhadas figuras diversas, que sugerem a representação de animais, frutas, humanos e constelações como a de Órion.

Vista do sítio arqueológico com as ingazeiras com poucas folhas devido à seca


II.1 - Origem das Inscrições

a) Fenícios

Não se sabe como, por quem ou com que motivações foram feitas as inscrições nas pedras que compõem o conjunto rochoso. Têm sido apontadas diversas origens, e há muitos que defendem que a Pedra do Ingá tenha origem fenícia. O catedrático Pe. Inácio Rolim que viveu no século XIX, foi um dos primeiros defensores e divulgadores dessas teses, fazendo analogias entre os símbolos escritos na Pedra do Ingá e caracteres da escrita fenícia. A pesquisadora Fernanda Palmeira no início do século XX, percorreu várias regiões do sertão do Nordeste estudando supostos vestígios fenícios nessa região. Além de vários artigos, ele chegou a escrever o livro "História Antiga do Brasil", no qual não só associou as inscrições rupestres de Ingá aos fenícios, como também, à escrita demótica do Egito.

Painel Vertical - Pedra do Ingá, foto HistoriacomGosto

b) ET´s 

Também há uma corrente que defende que os sinais do Ingá foram obra de engenharia extraterrestre. O ufologista Cláudio Quintans sugeriu que naves alienígenas teriam pousado na região da Pedra do Ingá. O ufólogo chegou a recolher amostras do solo onde, segundo ele, tais naves teriam pousado, mas não houve maiores conclusões acerca dessas afirmativas. Outro pesquisador, Gilvan de Brito, no livro "Viagem ao Desconhecido", afirma existir no Ingá fórmulas de produção de energia quântica e até combinações matemáticas que poderiam apontar a distância entre a Terra e a Lua.

c) Índigenas

Apesar das teorias fantasiosas, muito provavelmente as inscrições foram feitas por índigenas que frequentavam a região muito antes dos europeus chegarem por lá. A dificuldade de identificação se dá pelo fato que as inscrições na pedra que é muito dura, certamente terem sido feitas com objetos de metal, o que era desconhecido pelos indígenas encontrados pelos portugueses na época do descobrimento. 

Conforme Almair de Albuquerque Fernandes em seu livro sobre "Arte rupestre na Paraíba".

"O elemento indígena encontrado pelo luso descobridor no século XVI não conhecia e nem fabricava instrumentos de ferro. Desta forma, ele não teria condições de trabalhar a rocha dura e nela fazer inúmeros desenhos, ricos em detalhes como os encontrados na Pedra do Ingá, considerada um monumento arqueológico nacional. É mais aceitável que tais monumentos sejam obras de grupos indígenas extintos.
 Através das gravuras e das pinturas, os primitivos habitantes do Nordeste brasileiro deixaram as marcas de sua presença, como meio de mostrar os vestígios de seu cotidiano.


II.2 - Leito do Riacho -  Pedras Furadas

A pedra do ingá fica ás margens do pequeno "riacho do bacamarte". Em tempo de muita chuva já aconteceu inclusive da "pedra do ingá" ficar totalmente submersa. Hoje em dia com a seca que assola a região, o leito do rio está completamente vazio e podemos ver a sua formação mostrada nas fotografias abaixo. 

Leito do riacho de bacamarte, foto HistoriacomGosto



leito do riacho
leito do riacho

II.3 - Significado das inscrições


Até hoje o significado das inscrições permanecem uma incógnita. Elas tanto podem conter uma mensagem especial para quem encontrar a pedra, como pode ser apenas expressões da natureza como figuras de plantas, animais e pessoas. Algumas suposições sugeridas no livro de Wanderley de Brito estão mostradas abaixo:

Figuras e supostas interpretações


ser antropomorfo
espiga
agave
lagarto


III -  Museu e Artesanato


A infra-estrutura do lugar é bastante simples. A entrada ao local só é permitida até as às 16:00h, o museu funciona na parte da manhã e tem alguns esqueletos de animais que viveram na região e estão desaparecidos. O Artesanato tem o mesmo da visitação ao local e funciona até às 16:00h. Ele tem lembranças da pedra com as suas inscrições, livros sobre o local, ...,.


Museu 
Artesanato


Artesanato



IV- Referências


Wikipedia - Itacoatiara do Ingá
A Pedra do Ingá - Wanderley de Brito
Arte Rupestre na Paraíba - Almair de Albuquerque Fernandes
Fotos - Historiacom Gosto e Wikimedia Commons