sábado, 30 de janeiro de 2016

O Retorno do Filho Pródigo - Rembrandt, Museu Hermitage

I - O Retorno do Filho Pródigo - Rembrandt - Museu Hermitage


  • A obra mais famosa do Museu Hermitage e uma das maiores obras primas da humanidade, o quadro "O retorno do filho pródigo" foi pintado por Rembrandt por volta de 1668. Em 1766 o quadro foi adquirido por "Catarina, a Grande" e levado para São Petersburgo onde hoje integra a coleção do Hermitage.





II - A Parábola do Retorno do Filho do Pródigo


  • A parábola do retorno do filho do pródigo está no contexto dos ensinamentos de Jesus sobre a importância do perdão. Nela temos três personagens principais com suas respectivas ações:

  • a) O filho que, mesmo com o pai ainda vivo, solicita a sua parte da herança e gasta-a toda com jogatinas, mulheres e bebidas. Então ele se vê em apuros sem ter o que vestir, comer e onde dormir. Nesse momento de desespero ele cai em si e se lembra do aconchego da casa paterna e de tudo que ele abandonou.

  • b) O pai que, no seu imenso amor, reparte os seus bens e mesmo com o coração partido deixa o seu filho ir embora. Ainda assim, não pensa duas vezes e se enche de imensa alegria quando esse retorna maltraplho e de mãos vazias. No seu abraço, o pai é a figura do perdão incomensurável de Deus, esquecendo de todos os pecados do filho e vendo que seu arrependimento é verdadeiro, não lhe exige explicações.

  • c) O irmão mais velho, que permanecendo ao lado do Pai, cumpe as suas obrigações trabalhando e não exigindo nada. Esse, quando vê o seu irmão voltar, não participa da alegria do pai e exprime em palavras tudo o que sentia ao longo de sua vida. Ele cumpria as suas tarefas mas não as fazia com amor e sim por obrigação. Não se sentia à vontade na casa do próprio pai. Esse filho também precisava do perdão e do amor do pai para que os três se entendessem e se amassem.

  • A parábola exprime a supremacia do amor e do perdão versus a ganância e também a obrigação. Alerta para a necessidade de cultivar e explicitar o amor. Não basta não ter conflito, é preciso diálogo, compreensão e amor. É uma das mais belas parábolas da Biblia.


III - Rembrandt


  • Rembrandt Harmenszoon van Rijn, nasceu em Leida, Holanda em 15 de julho de 1606 e faleceu em Amsterdam em 4 de outubro de 1669. Foi um pintor e um dos maiores nomes da história da arte europeia e o mais importante da história holandesa.

  • Filho de dono de moinho, tanto o pai (igreja reformada) como a mãe (católica) eram religiosos. Ele logo cedo demonstrou tendência para a pintura. No final de 1631 mudou-se para Amsterdã e já passou a trabalhar como pintor retratista, obtendo sucesso. Em 1634 casou-se com sua sobrinha Saskia de uma família de respeitável condição financeira. Saskia morrreu em 1646 e Rembrandt passou por um período perturbado em sua vida pois ele a amava muito.

  • Sem ser um bom administrador de seus bens, Rembrandt atolou-se em dívidas sendo forçado a vender até a casa em que morava. De acordo com o testamento de Saskia, Rembrandt para continuar a usufruir de seu dote / herança não podia casar novamente. Rembrandt passou a ter apenas romances não oficiais. Com a sua consciência religiosa, imagina-se que ao pintar o quadro do filho pródigo, Rembrandt fazia também um retrospecto de sua vida, colocando-se como os dois filhos necessitados do perdão do Pai.


IV - Quadro Retorno do Filho do Pródigo


  • O quadro é repleto de nuances que merecem ser pontuadas:

  • a) Como característica de toda obra de Rembrandt e dos pintores holandeses do seu tempo, o quadro tem pouca luminosidade. O foco é colocado no abraço do pai no filho mais novo, deixando em segundo plano o irmão mais velho e os empregados.

  • b) A figura do filho maltrapilho, sem cabelos e com um dos pés descalços, retrata a humilhação mostrando o filho despojado de toda sua dignidade.

  • c) As mãos do pai tem tamanhos diferentes e pulseiras diferentes, simbolizando as figuras paterna e materna. Por um lado o pai firme e trabalhador e ao mesmo tempo com a ternura e o carinho da mãe.

  • d) O filho mais velho é colocado na mesma cena, mas em plano diferente, demonstrando que não participa da mesma alegria do Pai.

  • e) Entretanto, é o abraço do Pai, que transmitindo todo a ternura do perdão, domina toda a cena e faz a grandiosidade do quadro.



V - Referências


  • Fontes: Texto:
  • 75 masterpieces every christian should know - Terry Glaspey
  • Wikipedia - Return of Prodigal Son
  • Wikipedia - Rembrandt 
  • Biblia Sagrada - Parábola do Filho Pródigo

  • Foto: 5QFIEhic3owZ-A at Google Cultural Institute

quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

Instituto Ricardo Brennand - O Brasil Holandês nos arredores de Recife

1. - Instituto Ricardo Brennand





Nos arredores de Recife, encontramos o Instituto Ricardo Brennand, insituição particular, criada pelo industrial pernambucano Ricardo Brennand e sem dúvida um dos melhores museus do Brasil. Com ênfase principal no Brasil Holandês, época em que a área de Pernambuco foi conquistada pela Companhia das Indias e regida pelo Conde Mauricio de Nassau, o museu se divide em quatro grupos principais: Pinacoteca, Museu de Artes, Castelo de Armas e Livraria.

O complexo está instalado em uma área de 100.000 m2 em uma área de Recife, próxima ao Campus da Universidade Federal de Pernambuco.

Mantido pelo industrial, sem fins lucrativos, o Insituto foi montado a partir da coleção de objetos de arte reunidos em mais de 50 anos. Segundo o Industrial, tudo começou com um canivete que ele ganhou quando ainda era pequeno. 


2. - Pinacoteca



Com 1.200 m2, auditório para 100 pessoas e tecnologia de controle de temperatura e umidade, o espaço é adequado para receber exposições de grande porte e de alto nível de exigência de controles. O instituto já recebeu a exposição internacional "Albert Eckout volta ao Brasil" na inauguração do seu espaço. 




- Pinturas de Frans Post


Frans Janszoon Post foi um pintor dos Países Baixos que junto com Albert Eckhout integraram a comitiva do Conde Mauricio de Nassau, no século XVII, quando esse governou a região conquistada pelos holandeses a serviço da Companhia Neerlandesa das Indias Ocidentais. Frans Post pintava especialmente as paisagens brasileiras enquanto que Albert Eckhout reproduzia em seus quadros os habitantes da região. 

Frans Post foi então o primeiro paisagista do Novo Mundo e o Insituto Ricardo Brennand possui a maior coleção de suas obras, formada por 15 quadros que representam todas as fases de seu trabalho. 

Em torno do Brasil Holandês o Instituto está constituindo uma grande biblioteca e uma coleção de documentos, mapas e objetos relativos ao período. 








3. - Museu de Artes


a) - Gobelins


Os Gobelins são tapeçarias feitas em tecidos ricamente ilustrados com composições da Manufacture Nationale des Gobelins, na França, desde o século XVII e ainda hoje em funcionamento. 

Foram assim chamados em homenagem a Jean e Philibert Gobelin, tintureiros do século XV, cujas oficinas ficavam nas cercanias de Paris. A maioria dos palácios da nobreza européia utilizavam tapetes dos Gobelins em suas paredes. 

Algumas das tapeçarias de Gobelins, feitas no século XVII, retrataram o Brasil Colonial, com sua fauna e flora. Alguns desses tapetes estão em exposição no Instituto conforme mostrado abaixo.




Gobelin, com cenas mundanas de festas nos palácios

                                 Gobelin, retratando a fauna e flora brasileira



b) Objetos de época



Escrivaninhas, relógios, cômodas e imagens, são alguns dos objetos de época pertencentes à coleção do Museu. 









c) Esculturas


- Réplica de "O Pensador" de Rodin


O primeira peça de "O Pensador" foi realizada em torno de 1880 e mede  71,5 cm de altura.  Ela fazia parte de uma composição chamada " A portado inferno". A sua primeira exibição foi em Compenhague em 1888. 

Posteriormente, devido ao seu sucesso, Rodin produziu uma versão maior que foi concluida em 1902.  Cerca de 25 réplicas foram reproduzidas usando este molde, alguns durante a vida do escultor, outras posteriormente. 

Na entrada principal da Pinacoteca  está exibida uma réplica de "O Pensador" de Rodin produzida usando um molde do original. 




                                     Réplica de Rodin - Instituto Ricardo Brennand




- Outras  Esculturas







d)  Exposição Temporária - "O Julgamento de Fouquet" 










Nicolas Fouquet

Durante o seu reinado, Luís XIV conhecido como o Rei Sol, nomeou Fouquet como Superintendente das Finanças do Reino, o qual ocupou de 1648 a 1661. Nesse período, Fouquet restabeleceu a credibilidade das finanças do Reino mas, gozando de privilégios, multiplicou a ua fortuna tornando-se um dos homens mais ricos da França.
De olho no cargo de Fouquet, Jean Baptiste Colbert acusou-o junto ao Rei de peculato.  Em uma das festas realizada por Fouquet, para 600 pessoas, onde foram sorteadas armas aos cavelheiros e jóias para as damas, o Rei acabou se convecendo que as denúncias tinham fundamento.
Em 1661, Fouquet foi submetido a uma corte especial. Seu julgamento durou 03 anos e o fim ele foi condenado ao banimento da França com confisco de seus bens pessoais. Insatisfeito com o julgamento, Luís XIV trasnformou o banimento em prisão perpétua.




3. - Castelo São João - Sala de Armas


- Entrada Principal







- Sala de Armas