sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Teatros do Mundo - Ópera de Viena

I - Ópera de Viena  


1.1 - Construção e Inauguração

A Ópera de Viena, um edifício imponente construído no século XIX tem uma das histórias mas importantes da música classica européia. Ao lado  do Musicvrein  forma o conjunto de locais imperdíveis para uma visita e um concerto na capital da música clássica. 

A estrutura do edifício foi projetada pelo arquiteto vienense Sicard von Sicardsburg, enquanto o interior foi projetado pelo decorador Edward von der nulo. Outros artistas como Moritz von Schwind que pintou os afrescos no foyer também influenciaram  no estilo.


O edifício no início não foi muito apreciado pelo público. Alguns achavam que ele não era suficientemente grande, e outros não gostavam porque  o anel rodoviário na frente da ópera foi elevado em um metro e o público achava que a ópera parecia um navio afundado. 

Em 25 de maio de 1869, a ópera abriu solenemente com a obra de Mozart, Don Juan, na presença do imperador Franz Joseph e da Imperatriz Elisabeth.

A popularidade da casa cresceu sobre a influência artística dos primeiros diretores: Franz von Dingelstedt, Johann Hereck, Franz Jauner, e Wilhelm Jahn. O ponto alto foi atingido com a direção de Gustav Mahler que introduziu novas experiências musicais e de gestão.






1.2 - Os anos da guerra


Os anos entre 1938-1945 foram um capítulo negro na história da ópera. Sob os nazistas, muitos membros da casa foram expulsos, perseguidos e mortos, e muitos trabalhos não foram autorizados a sua reprodução.

Em 12 de março de 1945, a ópera foi devastada durante um bombardeio. Apenas a fachada principal, a grande escadaria e o "schwind foye" tinham se mantidos intactos da destruição das bombas. 

Um período de reconstrução de cerca de dez anos com um grande orçamento foi despendido e finalmente em 05 de novebro de 1955 a ópera estatal de Viena reabria com um novo auditório e tecnologia modernizada. A peça encenada foi Fidelio de Beethoven sob a direção de Karl Bohm. A cerimônia de abertura e a peça foram transmitidas pela televisão austríaca. 

1.3 - Hall de entrada


Uma das poucas partes que permaneceram intactas no período da guerra, a área do hall não é tão grande. 



1.4 - Escadaria 


As escadarias sim, são impressionantes por sua magnitude e beleza. Adornando a escada temos a pintura no teto "Fortuna, espalhando o seus dons" a partir de um projeto de Franz Dobiaschofsky. Representando também seu trabalho estão as pinturas em tela nos três arcos descrevendo o ballet, ópera cômica e ópera trágica. As estátuas alegóricas criadas por Josef Gasser incorporam as sete artes liberais: arquitetura, escultura, poesia, dança, arte musical, drama e pintura.




              Escadaria principal

             Sala de Francisco José


Um destaque histórico da casa de ópera é o salão de Chá, anteriormente salão do imperador, localizado a direita da escadaria.   


1. 5 - Palco e Auditório


Com capacidade para cerca de 2500 pessoas o auditorium é dividido na área principal e seus camarotes laterais.

                                                       Palco


1.6 - Cafeterias / Salões de Espera


Duas cafeterias mais estilizadas e uma cafeteria real constituem os espaços de convivência da Ópera para se bebericar um champagne, tomar um café ou água, nos intervalos de espera.



Cafeteria Tradicional





1.7 Ópera Estatal de Viena x Filarmônica de Viena


A ópera estatal de Viena está intimamente ligada a Filarmônica de Viena, que é incorporada a uma sociedade própria, mas cujos membros são recrutados da Ópera Estatal.´

A ópera estatal de Viena é uma das companhias que mais produz espetáculos, entre 50 e 60 óperas e dez espetáculos de ballet em cerca de 300 exibições no total. 

A Ópera emprega mais de mil funcionários. Em 2008 o seu orçamento anual foi de 100 milhões de euros, onde, 50% vieram de subsídios estatais. 



1.8 - Diretores mais famosos da Ópera  


- Gustav Mahler (1897-1907)
- Richard Strauss / Franz Schalk (1919-1924)
- Karl Bohm (1943-1945) e (1954-1956)
- Herbert von Karajan (1956-1964)
- Seiji Ozawa (2002-2010)

Diretor atual - Dominique Meyer (2010)



1.9 - Referências



- Site oficial da Ópera de Viena
- Wikpedia - Ópea de Viena
- Fotos e Notas de Viagem - historiacomgosto



quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

O Retábulo de Ghent - A obra de arte mais roubada na história

I - Retábulo de Ghent - O que é ?


É uma peça de altar, na forma de um políptico complexo e de grandes dimensões, do século XV, período inicial da pintura flamenga.  

Ele é composto por 12 painéis, oito dos quais são venezianas fechadas. Os painéis laterais são pintados em ambos os lados, dando duas perspectivas diferentes, caso eles se encontrem abertos ou fechados. Aos domingos e dias festivos, o retábulo está totalmente aberto. Nos outros dias ele fica fechado e coberto por uma toalha.

O retábulo foi encomendado pelo comerciante, financista e político, Joost Vijdt, que exercia uma liderança semelhante ao prefeito da cidade. Ele encomendou o retábulo para uma capela da Igreja de São João Batista (hoje Catedral de São Bavo) onde ele e sua esposa eram os benfeitores. O retábulo foi oficialmente instalado em 06 de maio  de 1432.


I. 1 - A composição do Retábulo


O altar é composto por um total de 24 painéis moldados, que fornecem ao espectador duas cenas diferentes de acordo com a sua posição aberta ou fechada. 


O painel principal apresentado na parte de cima representa o Cristo Rei entronizado entre a Virgem Maria e São João Batista. À direita e à esquerda desses três personangens, anjos cantando e tocando música, e nos painéis esteriores, Adão e Eva. 




  Painel completo- fonte: wikipedia "Ghent Altarpiece", Obra de Jan Van Eick e foto copyriht de  Pol Mayer / Paul M.R. Maeyaert


A parte inferior do painel central representa a adoração do Cordeiro de Deus  para vários grupos de pessoas absortas em adoração e oração. Eles estão iluminados por uma pomba que representa o Espírito Santo.


Durante a semana, os painéis ficam dobrados, mostrando a Anunciação de Maria e o retrato do doador Joost e sua esposa Vijdt Lysbette Borluut.


I.2 - Painéis Aumentados - Figuras centrais




No painel superior central  estão a Virgem Maria à direita e São João Batista à esquerda. Existem entre os historiadores dúvida se a figura central representa Jesus, rei do Universo, Deus pai todo poderoso  ou a Trindade Santa representada por uma só pessoa. A existência de uma coroa tripla na figura central  confere credibilidade a essa última possibilidade. 



  wikipedia "Ghent Altarpiece" - Pintura de Jan van Eick, fotos de wikimedia commons, autor desconhecido  carregado por Petrusbarbygere- commonswiki

I.3 - Adoração do Cordeiro Místico



    Painel "Adoração do cordeiro místico" - Jan Van Eick, Wikipedia  "Ghent altarpiece" -     Foto: origem desconhecida - carregada por Petrusbarbygere

Os painéis centrais inferiores mostram a adoração do Cordeiro de Deus, cercado por fiéis alinhados um atrás do outro esperando para adorar o Cordeiro. No céu, uma pomba, representando o Espírito Santo ilumina a cena. O Cordeiro é cercado por quatorze anjos.

O cordeiro tem uma ferida em seu peito, de onde o sangue jorra em um cálice de ouro, ainda que não apresente qualquer epressão externa de dor. É uma referência ao sacrifício de Cristo. Os anjos têm asas vívidas multicoloridas e seguram a cruz e a coroa de espinhos, símbolos da paixão de Cristo. 


No primeiro plano a fonte da vida flui em um pequeno leito do rio e é coberta com pedras preciosas.

Grupos de adoradores

Em primeiro plano, a esquerda está um grupo de profetas judeus ajoelhados, cada um segurando uma Bíblia. Atrás deles, os filósofos e escritores pagãos de todo o mundo como evidenciado pelas características orientais de alguns deles e os diferentes tipos de bonés e chapéus que portam. A figura vestida de branco, com uma coroa trançada, é provavelmente Virgílio, que é considerado um "avant-la leta cristã". Á  direita, é possível distinguir os Doze apóstolos e por trás deles, vários santos, com papas e outros homens da igreja antes deles. Entre eles é possível reconhecer Santo Estevão, transportando as pedras com as quais ele foi apedrejado. 

Na parte inferior esquerda estão os homens mártires, todos representados vestindo roupas tradicionais do clero; e à direita, os mártires do sexo feminino. Homens e mulheres têm nas suas mãos uma palma. Algumas dessas mulheres são reconhecíveis por atributos que elas estavam segurando. 


I.4 - Retábulo Fechado




file: wikipedia - "Ghent Altarpiece", Obra de Jan Van Eick, foto: autor desconhecido: wikimedia commons carregado por Xanthous Onyx commonswiki


Quando está fechado o retábulo mostra a Anunciação em quatro painéis. À esquerda uma representação da mensagem do anjo Gabriel; e à direita, a resposta da Virgem Maria. Na parte de baixo podemos ver nas laterias o retrato do doador Joost e sua esposa Vijdt Lysbette Borluut.



2. - História


O retábulo foi mudado de local várias vezes ao longo dos séculos. O historiador de arte Noah Charney descreve o retábulo como uma das peças mais cobiçadas e desejadas da arte. Ela foi Vítima de 13 crimes e sete roubos. 

Após a Revolução Francesa o retábulo estava entre uma série de obras de arte saqueadas na Bélgica de hoje e levadas para Paris onde foi exposta no Louvre. Ela foi devolvida para Ghent em 1815 após a derrota francesa na batalha de Waterloo.

As laterais foram penhoradas pela diocese de Ghent em 1815 e  como ela não conseguiu resgatá-las, elas foram vendidas para um Inglês. Mais tarde elas foram compradas pelo rei da Prússia e por muitas décadas elas foram exibidas em Berlim. 

Alguns painéis que foram danificados por um incêndio em 1822, e os paineis com Adão e Eva, foram enviados para Bruxelas.

Durante a I Guerra Mundial, outros painéis foram retirados da catedral por forças alemãs. Sob os termos do fim da guerra, Tratado de Versalhes, a Alemanha devolveu todos os painéis e, em 1920, foram todos reunidos novamente em Ghent. 

Em 1934, os painéis do "julgamento dos justos" e "São João Batista" foram roubados. O painel de São João Batista foi devolvido, mas o painel do "julgamento dos justos aida está desaparecido. 

Como os  Alemães se lamentavam da perda dos painéis,  no início da outra invasão na II guerra em 1940, uma decisão foi tomada na Bélgica de enviar o retábulo para o Vaticano para mantê-lo seguro. 

A pintura já estava na França a caminho do Vaticano, quando a Itália declarou sua entrada na guerra aliada aos alemães. A pintura foi armazenada no vilarejo de Pau, sul da França, e representantes militares franceses, belgas e alemães assinaram um acordo que era necessário o consentimento de todo os três para que a obra fosse movida. 

Em 1942, Adolf Hitler ordenou que a pintura fosse apreendida e trazida para a Alemanha para ser armazenada no Castelo de Neuschwanstein, na Bavária.  

Depois que um ataque aéreo dos aliados tornou o local inseguro para a pintura, o retábulo foi armazenado em uma mina  de sal em Autausse na Àustria . 

Quando as tropas americanas se aproximavam do local, já no fim da guerra, uma alta patente alemã deu ordem de explodir a mina que abrigava essa e dezenas de utras obras de arte. Oito bombas de 500 kg foram colocadas dentro da mina, mas uma discordância dentro do estado maior permitiu evitar o desastre.

O retábulo foi recuperado pelos americanos ao fim da guerra e restituído aos Belgas em uma cerimônia presidida pelo Principe Charles. Nenhuma autoridade francesa foi convidada para a cerimônia porque os funcionários franceses do regime de Víchy haviam aceitado a sua transferência para a Alemanha.

3. - Referências

- Texto: Resumo retirado de

- Wikipedia Inglesa: The Ghent Altarpeice
- Wikipedia Francesa: L'agneau mistyque

Fotos: 

- Wikpedia: "Ghent Altarpiece"

Filme:

Os Caçadores de Obras Primas