sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Óbidos - A pequena jóia da Leiria


I - Óbidos 


Óbidos está situada junto ao mar, no distrito de Leiria, Portugal. Em razão de sua excelente localização, os registros de ocupação na região de Óbidos vem de muito tempo. Existem traços de ocupação dos Celtas, comércio realizado com os fenícios e indícios de ocupação romana. 

Após um período de ocupação árabe, em 11 de janeiro de 1148, o primeiro rei de Portugal, Dom Afonso Henriques, apoiado por Gonçalo Mendes da Maia, conquistou Óbidos.

Em uma fase posterior, Óbidos fez parte do pentágono defensivo (cinco castelos) idealizado pelos Templários.



Óbidos foi ofertada como prenda de casamento de Dom Dínis para sua esposa Dona Isabel. A Vila passou então a pertença da Casa das Rainhas que somente foi extinta em 1834. A maioria das rainhas de Portugal passaram por Óbidos deixando grandes benefícios. Particularmente lembramos Dona Catarina que mandou construir o aqueduto e vários chafarizes.

Óbidos fica a uma distância de 85 Km de Lisboa e 88 Km de Fátima em uma viagem de carro.  


II - Entrada de Óbidos


Óbidos é uma vila fortificada, com muralhas em todo seu perímetro. É uma pequena vila para os nossos padrões atuais, mas perfeitamente adequada a sua época.



A entrada principal da Vila, tem a seguinte inscrição "A Virgem Nossa Senhora foi concebida sem pecado original", que foi mandada colocar pelo Rei Dom João IV, em agradecimento pela proteção da padroeira quando da Restauração da Independência em 1640. Logo na entrada fica uma capela com azulejos azuis lembrando a morte do Senhor.


III -  Castelo


A origem do Castelo de Óbidos é atribuída aos romanos. Ele foi construído provavelmente em torno de um Castro (construções celtas de pedra). O castelo foi fortificado no período de domínio árabe e reformado várias vezes depois de conquistado pelos cristãos. 


            Foto das "Muralhas Externas do Castelo" - de Episousa em fotolia.com.br


IV - Ruas  


Como toda cidade fortificada e antiga, as ruas de Óbidos são bastante estreitas mas hoje elas estão todas bem cuidadas. São ocupadas praticamente por comércios de artesanato, restaurante e Igrejas.







IV - Monumentos


Igreja de Santa Maria



A Igreja Matriz localizada na praça do mesmo nome é o principal templo religioso de Óbidos. A sua fundação remonta ao período visigótico. Ela foi transformada em mesquita no período muçulmuna e novamente sagrada por Dom Afonso Henriques em 1148.










Igreja de São Pedro














De fundação Medieval, da sua construção inicial conserva apenas os vestígios do antigo portal gótico na fachada. Foi reformada na segunda metade do século XVI, como outras igrejas da Vila.  Muito afetada pelo terremoto de 1755, destaca-se no seu interior, de nave única, o magnífico retábulo barroco de talha dourada do período joanino. A antiga pintura da tribuna do retábulo - S. Pedro a receber de Cristo as chaves do Céu - de finais do século XVII ou princípios do XVIII (Sérgio Gorjão, 2000), encontra-se actualmente na parede





V - Artesanato




O Artesanato de Óbidos é bem centrado em pratos, louças e também na famosa bebida Ginja, uma espécie de licor, muito famosa na região










VI - Parte Externa - Aqueduto e Igreja


Com o passar do tempo a Vila teve necessidade de se expandir ocupando hoje outra área além da parte intra-muros. Essa parte interna é praticamente turística e os habitantes de um modo geral residem extra-muros.





Aqueduto


O Aqueduto foi mandado construir pela Rainha Dona Catarina de Austria, mulher de Dom João III e tem 3 Km de comprimento. A construção foi completamente custeada pela rainha que recebeu em troca a várzea ao redor. 


VII - Recomendação

Estando de carro e indo para Fátima é fundamental fazer uma parada em Óbidos. Com uma duração de 2 a 3 horas pode se fazer um bom passeio pela cidade e até almoçar no excelente restaurante do Hotel.

VIII - Referências

Texto - A maior parte do texto retirada de www.obidos.p
Fotos - Quando não mencionada outra referência, as fotos são de historiacomgosto

Nenhum comentário:

Postar um comentário