segunda-feira, 29 de agosto de 2011

Belém e o Mercado Ver-o-Peso

1. - Belém


A bela e exótica cidade de Belém foi fundada em 1616, na época do Brasil colônia, como uma porta de circulação de mercadorias da região Amazônica. Na época, os portugueses somente tinham colonizado a capitania do Maranhão, a qual já tinha sido alvo de invasão e domínio pelos franceses. Temendo um  ataque na inexplorada  amazônia, os portugueses enviaram uma missão capitaneada por Francisco Caldeira Castelo Branco e mais 150 homens com o objetivo de ocupar a região.

Tudo começou com a fundação, na baía do Guajará, do Forte do Presépio. A localidade que se criou ao seu redor ficou sendo conhecida como Feliz Lusitânia. O seu nome ainda mudou para Santa Maria do Grão Pará, depois para Santa Maria de Belém do Grão Pará, até chegar ao atual Belém.

A baía de Guajará, onde também está o mercado  Ver-o-Peso, é o encontro da foz do rio Guamá com a foz do rio Acará. Belém  é ainda banhada pelos rio Amazonas e Maguari. Quando chegaram os portugueses, essa área era habitada pelos índios Tupinambás..

belem mercado do ver o peso


2. - O Porto do Ver o Peso


Devido a grande circulação de mercadoria o  governo criou no ano de 1688 um posto de arrecadação alfandegária que tributava pelo peso dos produtos. Daí surgiu o nome do Porto do Ver-o-Peso. O posto funcionou normalmente até meados de 1839, quando então o seu prédio foi cedido para o funcionamento do mercado central de peixes.

Belem porto do ver o peso

Devido as características geográficas da região, os meios de transporte mais usados na ligação de Belém com as outras cidades são os barcos. Eles transportam tanto mercadorias como pessoas. Os mais comuns são os barcos de médio porte como os vistos na figura ao lado.


3. - Mercado do Ver-o-Peso


Como era natural, desde muito cedo, na região do porto, criou-se um feira onde  se comercializava de tudo, mas principalmente alimentos, vestuários e cerâmicas. Entretanto, foi  na "era da borracha" que investimentos em urbanização  deram ao mercado a sua forma atual.  No ano de 1899  foram construídos o Mercado de Carne e o Mercado de Peixes, utilizando os padrões arquitetônicos europeus da época, onde o ferro tinha uma grande predominância 

O complexo do Ver-o-Peso atualmente compreende uma área de 26.500 m2 e é compreendido por diversos setores como Mercado de Peixes, Mercado de Carne, Feira Livre (frutas  e legumes, área dedicada às extratos e  chás, área para farinhas, grãos e temperos e ainda área de alimentos preparados). Em anexo temos ainda a Feira do Açaí, que devido ao seu grande volume é comercializado separadamente das demais frutas. 

No setor de feiras estão montadas cerca de 1000 barracas estando atualmente todas elas padronizadas. 

O Ver-o-Peso é conhecido internacionalmente e é considerado o maior mercado ao ar livre da América Latina.

Área I - Mercado de Peixes 


O mercado de peixes é construído em estrutura metálica, do lado exterior e interior, ” Tem estrutura toda em ferro trazida da Europa onde a cobertura principal é do tipo ‘marselha’ e as torres  do tipo ‘art-noveau’, possuem cobertura em escamas de zinco, sistema ‘Vieille-Montagne’ ” (site  "thegreenclub.com.br" / Documentos da Fundação Belém). O mercado foi inaugurado em 1901.
mercado de peixes - ver o peso
Mercado de peixes no Ver o peso

mercado de peixes ver o peso

O peixe "Filhote" (Piraíba):

Considerado o maior peixe de água doce do Brasil, o Filhote é um dos mais saborosos. Ele é bom para se preparar tanto assado como cozido, pois a sua carne é ao mesmo tempo tenra e consistente. Esse peixe pode pesar até 300 Kg. Até o peso de 60 kg ele é chamado de Filhote, acima disso é conhecido pelo nome de Piraíba e já não é mais indicado para se comer pois sua carne começa a ficar dura.

Outros peixes típicos da região são a pescada amarela, tucunaré e pirarucú.

mercado de peixes - belem ver o peso

Pirarucú

Como o Filhote, O pirarucú também é um peixe de grandes dimensões e, pode chegar a 3 m de comprimento e pesar até 200 kg. É  muito vendido já salgado e, devido a semelhança de sabores,  é chamado de "Bacalhau da Amazônia".


Área II - Mercado de Carne


 Inaugurado em 1908, e todo feito de ferro trazido diretamente da Inglaterra, o  "Mercado de Carne"  é de uma riqueza de detalhes surpreendente. Nesse mercado a carne era vendida ao ar livre e sem refrigeração. O Mercado está, agora em 2011,  em fase final de um processo de restauração completa, onde toda estrutura de ferro foi tratada e pintada. A parte de alvenaria foi completamente modificada no seu interior, com a construção de grandes salas, com troca da madeira do piso e teto, que certamente irão abrigar alguns orgãos governamentais. 

mercado de carne - belem mercado do ver o peso



Área III - Feira Livre


Ao lado do mercado de peixes e em frente ao mercado de carnes temos a "Feira Livre", que vende hortaliças, frutas típicas da região, farinhas e ervas medicinais, que prometem a cura para toda espécie de doença.


vendedor de pupunha - belem mercado do ver o peso
Vendedor de pupunha - mercado do ver o peso;


Frutas típicas
Belém é muito conhecida pela grande variedade de frutas típicas somente encontradas nessa região. As mais conhecidas são: Açaí, Cupuaçu, Bacuri, Sapoti, ...,.

Cupuaçu: Com sabor forte o cupuaçu é muito usado para sucos, sorvetes, doces e recheios. O cupuaçu se dá bem em clima tropical com terra fértil e boa retenção de água.

 Açaí: Desde a época dos indígenas, o açaí é considerado uma importante fonte de alimentação. Além de ter poder nutritivo e  ser uma fonte energética,  ele era considerado principalmente uma planta medicinal. O seu uso variava desde o combate as doenças infecciosas até a proteção para doenças cardíacas.  Tradicionalmente servido em cuias e misturado com tapioca, açúcar e/ou mel hoje em dia as suas propriedades energizantes e anti-oxidantes o tornaram muito popular em todo o Brasil. Atualmente se consome principalmente na forma de sucos ou doces.

O açaí é um arbusto perene e nativo da região com frutas pequenas e escuras.


Área de Extratos e Produtos


Na área dos extratos, encontramos de tudo. Xaropes e chás que curam dor nos rins, unha encravada, e até problema de queda de cabelo. Tem ainda porções mágicas que fazem o amor voltar e até o viagra natural.

Área de Alimentação:

Ao lado da feira livre temos um aglomerado de barracas que vendem comidas prontas e iguarias típicas da região na forma do famoso "pf" (prato feito). Aqui é muito encontrado o peixe frito, o arroz de jambu e os sucos de cupuaçu, açaí e bacuri.


peixe frito com arroz de jambu - mercado do ver o peso
Peixe frito com arroz de jambu

barracas padronizadas - mercado do ver o peso Belem
Barracas Padronizadas















Área IV - Feira livre de peixe (área descuidada)



Os peixes não comercializados no mercado central e que estão perto de "passar do ponto", são levados para as calçadas ao lado do mercado e comercializados a um preço menor. Nesse ponto a higiene do local deixa a desejar devido a restos de peixes que são jogadas na baía e atraem urubu que posam e ocupam a área da praia. Diariamente, a prefeitura passa no meio da manhã com caminhões pipas fazendo a limpeza, mas não é suficiente. Observa-se que mesmo no mercado central de peixes, não há câmaras frigoríficas, os peixes são conservados em caixas de isopor com gelo. Gostei muito de Belém mas esse lugar especificamente merece ser melhor cuidado.


area descuidada - mercado do ver o pesoarea descuidada - mercado do ver o peso
















Área V - Feira do Açaí


Mais popular e na praça em frente  ao mercado do ver-o-peso temos uma região dedicada ao  comercio do Açaí. Nesse lugar é comum a venda em atacado. O Açaí é tão famoso que existe até bares e restaurantes do Açaí conforme a foto abaixo.

mercado do açaí - mercado do ver o peso
mercado do açaí - Belem ver o peso



Observação: O mercado do ver-o-peso deve ser apreciado a luz das condições e passado da região. A sua variedade de frutas e iguarias é o que é mais interessante.


4. - Cais das Docas


Nem só de passado porém vive Belém. Seguindo uma tradição de modernização de áreas portuárias, como feito em Puerto Madero, Buenos Aires, uma reforma completa foi feita em alguns galpões ao lado do mercado,  criando um centro de gastronomia, artesanato e passeios turísticos. Nessa área está instalada uma excelente cervejaria  e também uma fábrica de sorvetes..

c ais das docas Belemcais das docas Belem


5. - Pratos Típicos da Região


Belém conta com uma culinária de altíssimo padrão e tem vários restaurantes de excelente categoria. É comum  também vários chefes de cozinha famosos em São Paulo, usarem alimentos da região experimentando sabores para seus pratos. Alex Atala (DOM) e Helena Rizzo (Maní) são dois dos mais conhecidos que promovem a cozinha brasileira com temperos da região.

Pratos e Temperos
Moqueca de Filhote - Belem
Moqueca de Filhote com Molho de Tucupi


Tucupi é um molho preparado a base do  sumo da mandioca brava. O molho, que é de cor amarela, precisa permanecer um tempo em  para que haja a separação do amido do líquido. Devido a presença do ácido cianídrico o molho é inicialmente venenoso e por isso precisa ser cozido por várias horas para poder ser usado como tempero.




Tacacá é uma espécie de caldo preparado com tucupi, goma de tapioca, camarão seco e jambu. O jambu é uma folha parecido com agrião porém tem a propriedade de deixar a boca um pouco "anestesiada" principalmente se o tempo de cozimento for pequeno. 

Além do tacacá, o jambu é utilizado nas moquecas de peixe, no pato no tucupi e também em preparos como o arroz de jambu.



Maniçoba - Belem
Maniçoba
Maniçoba

A Maniçoba é um prato de origem indigena com sabor bem acentuado e que lembra um pouco a feijoada. Ela é feita a base de folhas de mandioca moídas e cozidas por cerca de uma semana para a retirada do ácido cianídrico. A esse preparo é acrescentada carne de porco, carne bovina e outros ingredientes sempre defumados e salgados.

                     

pato no tucupi - Belem
Pato com molho de tucupi e folha de jambu
Pato no Tucupi                   

O pato no tucupi, como o nome já diz, é preparado com o molho de tucupi, folhas de jambu e cozido por várias horas até que o pato fique bem macio e o jambu perca praticamente seu efeito anestésico. O pato no tucupi é o prato principal a ser comido no almoço no dia da festa do Círio de Nazaré.

6. - Artesanato e Lenda Amazônica - O Muiraquitã


Segundo a crença popular, o muiraquitã era um amuleto fabricado pelas Icamiabas, ou Amazonas, uma comunidade de mulheres guerreiras. Como em suas aldeias não havia homens, uma vez por ano estas mulheres procuravam índios de aldeias vizinhas para perpetuar sua espécie. Conta a lenda que, na noite anterior ao encontro, as Icamiabas festejavam a deusa Iaci (a lua). Dirigiam-se em procissão para um lago onde mergulhavam e traziam do fundo uma espécie de barro verde que modelavam de formas variadas: cilindricas, antropormofas e zoomorfas. Depois davam esses amuletos aos índios com quem acasalavam.

7.  - Cidade das Mangueiras - A chuva


Belém também é chamada de "cidade das mangueiras" devido ao grande numero dessas árvores plantadas em todo lugar. Essa ambundância de árvores traz bastante sombra para as ruas da cidade.


mangueira na praça da catedral da Sé - Belem
Mangueira na Praça da Catedral

Chuva

Devido a alta umidade da região, onde é comum chover todos os dias, diz-se que antigamente se marcavam os encontros tendo como referencia o horário da chuva no final da tarde. "Antes" ou "depois da chuva" eram os termos usados.


8. - Outros Locais Históricos e de  interesse em Belém


Basilica de Nazaré - Belémvitoria regia - Belem

Além do Mercado do Ver-o-Peso, a cidade de Belém é dona de um imenso patrimônio histórico e cultural. Reconhecendo o imenso potencial turístico da cidade, grandes investimentos tem sido  feito pelos orgãos governamentais na recuperação de sedes do governo, igrejas e museus. 

- Catedral Metropolitana
- Teatro da Paz
- Forte do Presépio
- Casa das onze janelas
- Cais das docas
- Mangal das Garças
- Museu Emilio Goelb

9. - Referências:


1. - Pará - "L'Amazonie à Nancy" - Publicação bilingue da Secretaria de Cultura do Estado
2. - Blog: AromaseSabores.com
3. - Mercados a Céu Aberto - Deville Star Club
4. - 384 anos de história do Ver-o-Peso -Thegreenclub.com
5. - Wikipedia - Artigos: Ver-o-peso, Filhote, Cupuaçu

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

História da Capadócia

1. - Localização


A Capadócia é uma região histórica da Turquia que fica na Anatólia Central, em uma área que era cruzamento de rotas comerciais entre a região oriental e as cidades litorâneas de Izmir, Pamukale e Éfesos. Essa rota, desde os tempos antigos, foi utilizada pelos mercadores para comercializar produtos e especiarias do oriente e em seguida revender para a Europa. O porto utilizado era o de Èfesos e através do Mar Egeu e  Mar Mediterrâneo as mercadorias seguiam para a Grécia, Itália, ...,. Outra rota possível era atravessar o Bósforo e, adentrando pela Bulgária, chegar a Romênia, Austria e Alemanha.

2.- Situação Geológica


A Capadócia situa-se no encontro de duas placas tectônicas  onde, no passado, entre 30 e 60 milhões de anos, formou-se uma série de vulcões que provocaram uma enxurrada de cinzas e lava por toda a região. Com o passar do tempo, a influência dos ventos e rios provocou uma erosão nas pedras, deixando exposta toda uma série de formações geológicas diferenciadas. Vendo que essas pedras tinham fácil manuseio, o homem passou a escavá-las e a construir moradias nas próprias pedras.





chamines de fada - historia capadocia turquia
formações rochosas - chaminés de fada

Há cerca de 60 milhões de anos formou-se a cordilheira de Tauro, na Anatólia meridional, dando origem às numerosas elevações e depressões da Anatólia central. O nome Capadócia hoje é usado tanto para designar uma área de 15.000 km2 na Anatólia central quanto uma região mais restrita de cerca de 300 km2 incluindo as cidades de Urgup, Nevsehir e Goreme.

rochas vermelhas - capadocia turquia
rochas vermelhas-capadocia
vale de Goreme - Capadocia turquia
vale de Goreme-Capadócia


As atividades vulcânicas na Capadócia se iniciaram por volta de 10 milhões de anos atrás e os principais vulcões foram o Argeu (Erciyes) e o Hasan. Eles são fruto da colisão da pesada Placa da Arábia com a leve Placa da Anatólia. A colisão empurrou magma para a superfície, criando uma pressão elevadíssima que resultou na erupção do Ercyes, Hasan e outros. Calcula-se que só o Ercyes gerou depósitos que cobriram 10.000 km2 com uma espessura entre 100 e 500 metros. (Fonte Wikipedia). A maior parte do material expelido era cinza que se solidificou num material de fácil erosão chamado tufa.



vulcao Ercyes - Capadocia Turquia
Vista do vulcão Ercyes
vulcao Ercyes - capadocia
Vista do vulcão Ercyes


Chaminés de fadas


As tufas em muitos lugares eram cobertas por camadas de rocha vulcânica dura chamada rocha basáltica. Como essa rocha é mais resistente ao efeito abrasivo, o desgaste diferenciado cria as  chamadas chaminés de fadas. Com a continuação da erosão os pedestais dos blocos basálticos acabam por colapsar.


chamines de fada - capadocia turquia
chaminés de fadas
pedra em equilibrio - capadocia
pedra em equilibrio

Cidades Subterrâneas


cidade subterranea de Derinkuyu - capadocia
cidade de Derinkuyu
Já foram identificadas cerca de 36 cidades subterrâneas na Capadócia e acredita-se que ainda possam existir mais. Uma das mais conhecidas é a de "Derinkuyu" localizada cerca de 29 km de Nevsehir,a capital. Acredita-se que os Hititas, os Romanos, os Bizantinos e até os Proto-Hititas viveram nessa cidade. Derinkuyu tem cerca de 18 a 20 níveis (andares) subterrâneos  e um complexo sistema de túneis e dutos de circulação de ar foram construídos para permitir a sua habitação. Mesmo no verão, onde a temperatura externa é de cerca de 39 graus C, a temperatura interna se mantém em torno de 14 a 15 graus C nos andares superiores, e pode chegar até a 08 graus C nos níveis mais baixo. Estima-se que cerca de 10.000 habitantes em média viviam em Derinkuyu.





3. - Povos, Reinados e domínio da Região



- Proto-Hititas, Hititas, Assírios, Frígios e Persas (XL ac - III ac)

Estima-se que a habitação da Capadócia tenha se iniciado por volta de 8.000 a.C.. Foram encontrados vestígios de ocupação datando de 7.000 a.C. porém de origem desconhecida. Uma das civilizações mais antigas que se tem registro foi a dos Hititas em 3.000 ac. Em épocas posteriores alguns dos povos dominantes foram, os Hititas e Assírios (2.000 a.C. a 800 a.C.), os Frígios (800 a.C. a 700 a.C.) e em seguida os Persas (500 a.C.).


- Povos Helênicos e Império Romano (IV ac - IV dc)

Em 330 a.C. foi a vez de Alexandre, o Grande, conquistar a Capadócia. O reinado de Alexandre foi breve e foi seguido pelos Seleucidas que se mantiveram até o século II a.C..


Os romanos desde o século V a.C. estavam bem estabelecidos na Itália. A sua expansão para o leste se iniciou a partir do século II a.C. Apesar de dominadores, com as novas conquistas, os romanos passaram também a sofrer forte influencia da civilização grega, notadamente nas artes e cultura . Em duas guerras conhecidas como Guerras Macedônias, Roma assumiu o controle de importantes cidades-estados no interior da Anatólia.


Em 324 d.C. Constantino unificou o império que havia sido dividido por Diocleciano em 284 d.C.. Em 330 d.C., a capital do império foi transferida para Constatinopla, cidade recém fundada às margens do estreito do Bósforo. O sucessor de Constantino foi Teodósio, cuja morte foi seguida por uma nova divisão do império romano no início do século V.


- Império Bizantino (IV a X)

O chamado império romano do Oriente passou a ser conhecido também como Império Bizantino. Apesar do cristianismo ter se propagado bastante na região desde o século I, foi com o império Bizantino que ele teve o seu apogeu. O fator preponderante foi a conversão de Constantino I que publicou  o édito de tolerância religiosa em 311 d.C..


Obs 1: Na divisão do império, a  Grécia era parte integrante do império do oriente, o que explica a grande presença grega na região. No ocidente inclusive era conhecido como império dos gregos.
Obs 2: Foi no século VII que surgiu na Arábia a nova religião do Islã.


- Sultanato Seljúcida (X a XII)

As tribos nômades da Ásia Central, conhecidas como turcomanos, começaram a invadir a Anatólia no século X. Um dos ramos, chamados seljúcidas, acabou por dominar a região e tornar-se líder de grande parte do mundo mulçumano entre os séculos XI e XII.


- Tribos Mongóis (XIII)

No século XIII, a região foi dominada por tribos mongóis que governaram a anatólia até 1335, quando tribos turcomanas rebeldes retomaram o poder. Um dos grupos vencedores fundou a dinastia otomana criando um dos maiores impérios até então conhecido


- Império Otomano (XIII a XX)

O império Otomano durou até I guerra mundial quando o império lutou ao lado da Alemanha e do imperio Austro-Hungáro.

Obs 1: Os Seljúcidas e os Otomanos foram ambos originários das tribos turcomanas.
Obs 2: Em 1829 os gregos conseguiram a independencia do império Otomano.



- República Turca (XX ...)



Logo após aderrota na I Guerra Mundial, várias cidades turcas foram ocupadas pelo exercito grego. Foi então que, grupos nacionalista se revoltaram e, posteriormente com a liderança do oficial Mustafá Kemal, se uniram proclamando a constituição da república turca. O tratado de Laussane reconheceu os limites e a existencia oficial da republica turca em 1923.

Obs: Em 1925, como parte do acordo de paz apoiando a estrutura de um estado turco unido, a Turquia e a Grécia concordaram em permutar suas populações. Cerca de 1,25 milhão de gregos voltaram a grécia e cerca de 450 mil mulçumanos foram repatriados para a Turquia. Essa movimentação quase que acabou com a presença de católicos no país.



4. Habitação pelos Cristãos


A região da Capadócia foi muito importante na propagação do Cristianismo. A sua proximidade com as sete igrejas da Ásia menor, entre elas as de Èfeso, Esmirna e Tiatira foi um fator facilitador.  Na região pregaram os apóstolos Paulo, João Evangelista e André, o primeiro a ser chamado por Jesus.


No desenvolvimento do Cristianismo na região, muita importância foi dada na construção de igrejas e mosteiros. Uma grande influencia foi exercida por Gregório de Naziansus, Gregório de Nyssa e São Basílio,  três dos teólogos mais importantes da época e todos nativos da região.




casa na pedra - capadocia
casa  na pedra
No período de perseguição dos romanos, as características  da região, com as moradias esculpidas nas pedras, oferecia as melhores condições de esconderijo e vida discreta. Essas moradias dificultavam o acesso para os agressores, e criava as melhores condições de fuga, em caso de ataques surpresa.

Um exemplo de igreja esculpida na rocha é a Kadir Domus Church em Goreme. Observe-se que todas as colunas e arcos são esculpidas diretamente na rocha. Nesse processo era criado um acesso ao topo, e as escavações se iniciavam de cima para baixo, evitando a queda dos entulhos sobre eles.

igreja esculpida na pedra - capadocia
igreja esculpida na pedra



Obs: Esses locais, por abrigarem pessoas, em escavações feitas diretamente na rocha, são também chamadas  casas/igrejas "trogloditas".



Museu A Céu Aberto de Goreme


Ao lado vemos o Mosteiro de Kizlar em Goreme, onde monges viviam e trabalhavam na rocha perfurada, Nessa região fica o Museu a Céu Aberto de Goreme, com cerca de 30 igrejas. A maioria das igrejas desse vale são do século IX. A UNESCO declarou em 1985  o vale de Goreme como Patrimônio da Humanidade.














Após um período de relativa calmaria até o século VI, a partir do século VII, a região enfrenta um novo período de turbulencia. Se de um lado começa a ser frequente os ataques de tribos árabes, seguidores da nova religião do Islã, também internamente o culto aos santos católicos começa a ser intensamente questionado.



Período Iconoclasta


Desde o início do século VIII a corrente Iconoclasta na Igreja repudiava as imagens de figuras sagradas para evitar a idolatria. No ano de 726, Leão III adere a essa corrente e baixa uma norma proibindo o culto aos santos. A partir desse período uma grande quantidade de igrejas e obras de arte da Capadócia são seriamente danificadas ou destruídas. Esse período durou até o ano de 843 quando a Imperatriz Teodora liberou as representações de imagens. A partir daí novas igrejas foram construidas nos vales de Goreme, Lhasa e Songali.


igrejas na pedra - capadocia igreja na pedra - capadocia



 



Soganli - (Originalmente Sonakalndi = "deixa por último")


Igreja do Domo - vale de Songali
Igreja do Domo
De acordo com a tradição popular essa área foi a última a ser invadida pelos árabes e conta-se que o líder do grupo invasor, ordenou para os guerreiros:  "deixa essa área por último". Cada tropa então repetia a mesma ordem. Com isso, Soganli foi uma das últimas regiões conquistadas.



Igreja do Domo no vale de Soganli

Essa igreja é bem interessante de se ver pois é  uma das poucas igrejas da região construida em dois níves.


Curiosidade: Casas de Pombos

Era uma prática antiga dos habitantes da região cavar buracos na pedra  e pintar ao seu redor de branco para que os pombos fossem lá fazer sua morada. Eles cavavam também passagens para de tempos em tempo coletarem os dejetos dos pombos com a finalidade de fertilizar o solo. Um exemplo dessa prática pode ser visto no Vale de Soganli.

vale dos pombos - capadocia
Casas de  Pombos

5. Culto a São Jorge




5.1 - Vida de São Jorge


De acordo com a tradição, Sâo Jorge viveu na Capadócia do fim do terceiro século ao começo do quarto. Ele viveu  no período de perseguição aos Cristãos. Conta-se que seu pai faleceu quando ele era ainda garoto e sua mãe levou-o para morar na Palestina onde ela tinha família. Como ele era um jovem ativo, seguindo as tradições da época,  ingressou no exército romano. Devido ás suas habilidades logo se distinguiu subindo vários postos na hierarquia, e foi levado para a corte romana. Após a morte da sua mãe e vendo a perseguição imposta aos cristãos, Jorge sensibilizou-se e vendeu todas as suas posses, distribuindo o arrecadado entre o pobres. O imperador romano da época, Diocleciano, intensificou uma sangrenta perseguição aos cristãos e, intimou todos os seus altos oficiais a se empenharem para a eliminação da fé cristã. Todos aderiram, exceto Jorge que questionou os motivos do Imperador. Quando interpelado, ele explicou que fazia aquilo em nome da verdade única e, passou a dar testemunho da fé cristã e da santidade de Jesus. São Jorge foi pressionado a revogar a sua posição e, com a sua recusa, ele foi levado a presença do Imperador. Diocleciano vendo que ele estava irredutível, ordenou uma sequência de torturas contra São Jorge. Após cada uma delas ele era questionado, mas sempre permanecia firme em sua fé. Por último, ele foi enviado para a estátua de Apolo para oferecer sacrifício e  caso não  o fizesse, seria morto. Como São Jorge tinha tido uma visão na noite anterior que aquele dia seria de glória, ele não teve medo. Após orar ao Senhor, ele pediu que a estátua fosse destruida para a crença de todos no poder de seu Deus. A estátua então se despedaçou aos seus pés e o imperador furioso mandou matá-lo. A sua bravura em se manter firme na fé  serviu de forte inspiração para os cristãos da época.



Sao Jorge da Capadocia Sao Jorge da Capadocia Sao Jorge da Capadocia
          Meados de 1170

                                                Século 14                                                 Início Século 15



Obs: Ícones representando a imagem de Cristo ou santos, são considerados sagrados e venerados na igreja ortodoxa. Eles são pintados em madeira ou feito em mosaicos. Os ícones de São Jorge acima fazem parte da coleção da Galeria de Ícones da Universidade do Estado de Novgorad na Russia


5.2 Milagres e Lendas - São Jorge e o Dragão


Vários milagres e outro tanto de lendas foram criados em torno de São Jorge, sendo a  mais famosa, a que relata a sua luta contra o dragão, conforme uma das versões relatadas abaixo.

No período em que São Jorge lutava pelo exercito romano, esteve de passagem pela cidade de Alaya, que era governada pelo rei Selvios que odiava os cristãos. Próximo a cidade, havia um dragão que ninguém conseguia combater  e,  tendo uma fome intensa, necessitava de ser alimentado por duas ovelhas diariamente. Entretanto, quando se acabaram os animais, a única solução para a população foi entregar, cada família, uma criança para ser devorada. Essa determinação incluia também a própria filha do Rei. Conta-se que quando a jovem de apenas quatorze anos estava sendo levada para ser devorada encontrou com São Jorge que questionou o motivo daquele alvoroço. Ao saber da verdade,  São Jorge afirmou que, se ela acreditasse no seu Deus, ele mataria o dragão e afastaria aquela ameaça de toda a cidade. A jovem confessou a sua fé no Deus de Jorge e ele entrou então em fervorosa oração. Quando o dragão chegou ao local onde estava a princesa, eis que São Jorge fez o sinal da cruz e pediu a Deus que derrubasse o dragão para que toda a cidade acreditasse em seu poder. O dragão caiu, São Jorge o matou com a espada e, em seguida, pediu a princesa que amarrasse o pescoço do dragão com o seu cinto. Então os dois arrastaram a fera morta para  a cidade causando um estupor geral. Jorge exortou a todos a se converterem ao cristianismo e somente ali, 45.000 pessoas foram batizadas.



5.3 - São Jorge no mundo


A fé em São Jorge foi se espalhando e em torno do século V já existiam mais de 50 igrejas na Ásia dedicada ao santo da Capadócia. São Jorge é padroeiro de vários países e cidades, destacando-se  o seu patronato da Inglaterra, Portugal, Catalunha e cidade de Moscou. Além disso ele é também padroeiro dos escoteiros, de vários exercitos e inclusive de times de futebol.



5.4 - São Jorge no Brasil


No Brasil, a devoção a São Jorge iniciou-se desde a época da colonização e o seu  culto foi  trazido de Portugal onde ele era muito popular. 


No esporte brasileiro temos a presença de São Jorge como padroeiro do Sport Club Corinthians.


São Jorge também foi homenageado com uma música, composta por Jorge Ben Jor, chamada "Jorge da Capadócia". No final desse blog anexamos um vídeo dessa composição, em interpretação da cantora Fernanda Abreu. 





6. - Dias Atuais - Cristianismo / Turismo na Capadócia e Culto a São Jorge


Cristianismo na Capadócia


Hoje a Capadócia faz parte da Turquia, um país onde mais de 90% da população é adepta do islamismo. A igreja católica tem dificuldades em se estabelecer na prática, pois, para ter o culto ou um templo onde possam fazer as suas orações, é preciso ter autorização do Estado. Com as várias repressões ao longo do tempo o cristianismo foi diminuindo até praticamente ser apenas histórico. Menos de 1% da população hoje é cristã.

Rezemos pela Igreja da Capadócia.

Turismo na região


Apesar de tudo, o governo turco vendo o potencial turístico da Capadócia e contando com incentivo da ONU, tem investido na preservação das relíquias históricas e pouco a pouco tornando mais flexível a prática do Cristianismo. Estima-se que anualmente mais de 1 milhão de pessoas visitam a região da Capadócia. 
Principais atrativos da região:

- Museu ao Céu Aberto de Goreme
- Formações rochosas, Chaminés de Fadalis, Vale rosado
- Igrejas e casas nas pedras
- Cidades subterrâneas
- Confecção de tapetes em Avanos
- Confecção de cerâmica e trabalho em pedras ônix
- Vale de Soganli  
- Passeio de balão



voo de balao - vale de Goreme - Capadocia
Vôo de Balão no vale de Goreme - Capadocia













A região da Capadócia tem uma das melhores condições ambientais do mundo para a prática de vôos com Balões. Esses passeios demoram cerca de uma hora, iniciando-se entre 5:00 hrs e 6:00 hrs. Em um dia típico, nesse horário, cerca de 50 balões sobrevoam o vale rochoso de Goreme.



Culto Atual a São Jorge 



Embora muitos considerem que sua história não passe de um mito e outros até mesmo acreditem que o santo tenha sido cassado pela Igreja Católica, o martírio de São Jorge e o seu culto continuam sendo reconhecidos pelo catolicismo. A lenda do guerreiro que matou o dragão havia sido rejeitada no século 5 por um concílio, mas persistiu e ganhou enorme popularidade no tempo das Cruzadas. "A imagem atual é fruto de uma lenda. Isso não quer dizer, no entanto, que esse santo não existiu e que o martírio dele não foi significativo", diz o monsenhor Arnaldo Beltrami, vigário episcopal de comunicação da Arquidiocese de São Paulo. No dia 9 de maio de 1969, a observância do Dia de São Jorge tornou-se opcional, com a reforma do calendário litúrgico, realizada pelo papa Paulo VI. A reforma retirou do calendário litúrgico as comemorações dos santos dos quais não havia documentação histórica, mas apenas relatos tradicionais. Daí ter-se falado, naquele tempo, em "cassação de santos". Mas o fato da celebração do Dia de São Jorge tornar-se opcional não significa o não reconhecimento do santo.

São Jorge continua sendo um santo muito venerado na igreja ortodoxa como um grande martir cristão.



7. - Informações Úteis

a) Quando ir:


A Capadócia é visitada o ano inteiro e sua paisagem muda um pouco de acordo com a estação do ano. Apesar de no inverno nevar, com temperaturas abaixo de zero grau, no verão o sol é bastante forte e as temperaturas passam de  34 graus, podendo chegar ocasionalmente até 40 graus. Dessa forma, se puder escolher, os períodos com temperatura mais amenas são justamente a primavera e o outono. De qualquer forma, não se esqueça, qualquer época vale a pena. Visitei a Capadócia em julho e foi maravilhoso.


Inverno: dezembro a fevereiro
Primavera: março a maio
Verão: junho a agosto
Outono: setembro a novembro


b) Como chegar:


A maneira mais prática de ir a Capadócia é tomar um avião em Istambul com destino a Nevsehir (capital da capadócia) ou Kaiseri (cidade mais comercial). O voo tem duração de 1 hora e 20 min e custa cerca de R$ 250,00, ida e volta, comprado direto coma Turkish Airlines. Comprando com antecedência, podem haver promoções com descontos de até 40%. O site da empresa é:  http://www.turkishairlines.com



c) Onde ficar:


Os lugares mais utilizados para servir de base para explorar a região são Goreme, Uchisar e Urgup. Todas elas são pequenos vilarejos, distantes cerca de 10 km uma da outra e em torno da região central que é o vale de Goreme. Todas elas tem muitos hotéis e pensões tradicionais, escavados nas pedras e bastante charmosos, sendo até difícil a escolha de um.  Particularmente recomendo ficar no  vale de Goreme pois tem-se a facilidade de ir a pé para visitar o museu a céu aberto de Goreme, patrimônio cultural da humanidade, e  que é um  passeio imperdível.


Para mais informações de hotéis consulte o www.tripadvisor.com.


d) Roteiros sugeridos


1) Chaminés de Fadas; Visita geral na região  incluindo: Love valley, chaminés de fadas, caravançarai, fabricas de tapetes, Urgup e Uchisar. Toma o dia inteiro e pode ser feito de carro alugado. Com um guia local em seu carro fornecendo todas as explicações, paguei 100 euros para três pessoas e recomendo a sua utilização pela riqueza de informações.


2) Passeio de Balão: o passeio de balão é um sonho para todos que vêem as imagens de balões sobrevoando a capadócia. Existem cerca de vinte empresas que fazem o voo  e eles saem em torno de 05 horas do hotel, iniciando o voo ao amanhecer e tem duração de cerca de 01 hora.

3) Museu ao Céu aberto de Goreme: feito a pé, são várias igrejas escavadas nas pedras na região central de Goreme e não precisa de guia. Não faça o passeio de camelo que é uma volta de 3 min e custa muito caro. A visita a essa área pode ser feita no mesmo dia após o retorno do passeio de balões.


4. - Cidades Subterrãneas (Derinkuyu) e vale de Lhasa

Visita a cidades subterrãneas de Derinkuyu, caminhada no vale de Lhasa. passeio de 01 dia e tem que ser feito de carro pois fica a cerca de 100 km de Goreme. Recomenda-se contratar com uma companhia local que faz o passeio em grupos.

5. - Mustafapasa e Songali 

Visita ao vale de Songali vendo o vale dos pombos, magnificas igrejas esculpidas nas pedras, vista geral das formações das placas da Anatólia Central com a vista do vulcão Ercyes e passando por Mustafapasa para ver a herança grega na região.


Ao todo são quatro dias para se ter uma boa visão da região. Pode-se conhecer também entre 02 e 03 dias, deixando a visita de Mustafapasa,  mas menos que isso é perder uma oportunidade única de conhecer os vestígios dos mais belos capítulos da história da humanidade.

8. - Referências:


1. - Capadócia "Cradle of History" - Omer Demir
2. - Guia Folha de São Paulo - Turquia
3. - Wikipedia - artigos "Capadócia" e "São Jorge da Capadócia"
5. - Música de Jorge Ben Jor - Jorge da Capadócia

Link da música: Jorge de Capadócia com Fernanda Abreu. Clique para ouvir.




9. - Veja Também


        Istambul / Turquia - Cidade Mágica 

        Home - Lista de todos os blogs publicados 

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Casa de Maria em Éfeso / Turquia

I - A Virgem Maria e São João Evangelista em Éfeso


São João Evangelista teve um papel de destaque na história da religião cristã. Primeiro por ter sido um dos principais pregadores do Evangelho de Jesus Cristo através dos escritos "Evangelho de João", "Cartas de João", e o "livro do Apocalipse". Além disso, foi a João que Jesus entregou os cuidados com a sua Mãe, Nossa Senhora, quando ao ser crucificado recomendou conforme Jo, capítulo 19, versículos 26 e 27.

"Quando Jesus viu sua mãe e perto dela o discípulo que amava, disse a sua mãe: Mulher eis aí o teu filho." Depois disse ao discípulo: "Eis aí tua mãe." E desta hora em diante o discípulo a levou para a sua casa.

Hans Brgkmair, 1519, Pinakhotec, Munich
São João Evangelista passou uma grande parte da sua vida em Éfeso, dando continuidade as pregações que Paulo fizera. Dali, ele passou a orientar as igrejas que iam se formando naquela região da atual Turquia e que era conhecida como Ásia Menor. Para fugir das perseguições, São João passou uma temporada na ilha de Patmos, perto de Éfeso. Foi lá  que ele teve as visões que deram a origem a escrita do livro do Apocalipse. Nesse livro São João envia, conforme orientado por Jesus em suas visões, as recomendações às sete Igrejas da região. Elas são: Éfeso, Esmirna, Pergamo, Tiátira, Sardes, Filadélfia e Laodicéia. Essas sete igrejas, ficam todas a uma distância em torno de 60 a 100 Km de Éfeso, que era, a cidade principal e a maior da região.

É portanto para a cidade de Éfeso que São João, em torno de 37 d.c., leva a Virgem Maria  para morar.  A habitação era uma pequena casa de pedra no alto de uma colina.

Veja a localização de Éfesos, colada ao Mar Egeu, praticamente de frente para a Grécia e acima da região Palestina. Sob o domínio romano, Éfeso era o porto mais importante do Egeu

casa de maria em efesos

II - Casa de Maria


A casa de Maria situada no alto de uma colina a 8 km de Éfeso

casa de maria em efesos
Vista do vale de éfeso
casa de maria em efesos
Placa indicando "Casa de Maria"

casa de maria em efesos
A Casa de Maria

pedidos dos devotos
Imagem da Virgem Maria


II.1 As visões de Anna Katharina Emmerich


 A história moderna de Meryem Ana começa na primeira metade do século XIX em Dulmen, Westphalia. Uma camponesa local, Anna Katharina Emmerich (1774 - 1824), sofria de uma doença incurável que a havia deixado de cama por 12 anos. Durante esse tempo ela teve o conforto de receber visões da vida de Jesus e Maria. Essas visões foram extraordinariamente detalhadas com fatos, lugares e pessoas que ela não podia ter conhecimento de outra forma. Essas visões despertaram curiosidade não somente do povo local mas também de intelectuais, dentre os quais o poeta alemão Clemens Bretano, que se mudou para Dulmem em 1818 com a finalidade de documentar todas as visões e descrições de Anna. 

Após a morte de Anna, ele decidiu tornar publico o que ele tinha montado. Em 1835 ele publicou um volume chamado "A dolorosa paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo".  Depois de sua morte em 1842, um outro volume chamado "A Vida da Virgem Maria de acordo com as visões de Anna Katharina foi publicado".  No penúltimo capítulo nós encontramos:

"Depois da Ascensão de Nosso Senhor, Maria viveu por três anos no Monte Sion, por três anos em Betânia, e por nove anos em Éfesos,  para onde João a havia levado. Maria não viveu em Èfesos propriamente, mas em uma área de campo próximo. ..." . Relata ainda que a casa de Maria ficava no alto de  uma colina do lado esquerdo da estrada para Jerusalém e que João havia construído a casa antes de levar a virgem Maria para lá. Várias famílias cristãs já moravam na região, para onde haviam fugido da perseguição aos cristãos. A maior parte das habitações eram escavadas nas rochas. A casa de Maria, era a única feita de pedra. Relatava que de um lado da casa podia ser visto Èfeso e do outro o mar, mais próximo da casa do que de Éfeso.  Vários outros detalhes de localização fazem parte do relato. 

II.2 - A descoberta da Casa


No meio de novembro de 1890 , o livro de Anna Katharina chegou às mãos de algumas freiras que viviam em Izmir (cidade próxima a Éfeso). As irmãs apesar de incredulas começaram a ler o livro e se surpreenderam com a simplicidade e doçura da descrição do livro em geral, e com a riqueza de detalhes da localização da casa de Maria em Èfeso.  As irmãs pediram aos Padres Lazaristas que ensinavam em uma escola para verificar a veracidade dos escritos. Os padres partiram a pé na direção da colina e após estarem   exaustos encontraram mulheres caponesas a quem pediram água. As camponesas responderam que não tinham água mas que eles encontrariam uma fonte no "mosteiro". A surpresa deles não teve limite quando ao se aproximarem do local indicado, eles encontraram, escondido sob grandes árvores, as ruínas de uma pequena casa ou capela. Verificaram os detalhes de sua localização em relação a Éfeso e ao mar e tudo combinava. Ficaram mais dois dias no local checando todos os dados e então retornaram. 

Duas outras expedições foram enviadas ao local, sendo que a terceira permaneceu no local cerca de uma semana. Finalmente em Dezembro de 1892 o Arcebispo de Izmir visitou pessoalmente o local e reconhecendo  que haviam inegáveis similaridades entre as descrições da Anna Katharina e o local encontrado colocou essas constatações em um relatório oficial da diocese local.



III - A cidade antiga de Éfeso




Efesos
Anfiteatro
Efesos
Rua principal com piso de mármore

Efesos
Biblioteca de Celsus


IV - Igreja de São João


É também na área de Éfeso que temos as ruínas da Igreja de São João e o seu túmulo.

tumulo de sao joao evangelista


igreja sao joao evangelista
Vista Geral das ruinas da Antiga Igreja

tumulo de sao joao evangelista
Inscrição no Túmulo de São João















V - A Casa de Maria se torna Igreja


(As informações e imagens abaixo são do Blog Breviário - rezairezairezai.blogspot.com)

A Igreja declarou a casa da Virgem Maria local sagrado e dedicado a peregrinações. Lá estiveram três papas: Paulo VI, João Paulo II e Bento XVI.

casa de maria
A casa foi oficialmente declarada Igreja Católica Romana em 1896 e desde então tornou-se local de peregrinação de cristãos e muçulmanos, além de peregrinos de vários outros cultos. Os mulçumanos cultuam a Virgem Maria como a Mãe de um grande profeta. Entretanto, eles somente rezam no exterior da casa, pois dentro dela estão imagens da Virgem, o que não é permitido na religião deles.


VI - Como chegar


Existem várias maneiras de se visitar a cidade de Éfeso. Para quem está baseado em Istambul, é possível ir e voltar no mesmo dia. Deve se tomar um vôo até a cidade de Ismirna. O tempo de vôo é cerca de uma hora. Os voos são frequentes podendo pegar no inicio da manhã e voltar ao anoitecer. Comprando da Atlas jet eles fornecem transporte de Ismirna até Seljuk, o qual leva cerca de 1 hora de ônibus.

Chegando em Sejuk existem os tranportes que fazem os passeios até a colina, para ver a casa de Maria e, depois trazem de volta para a entrada da antiga cidade de Éfeso. Eles normalmente ficam na entrada na parte de baixo de Éfesos.

 A ida de Ismirna para Selçuk é bem fácil mas deve-se ter cuidado na volta. Aconselho ir com os transportes providenciados por alguma empresa de turismo pois a volta de Selçuk para o Aeroporto é bem complicada.  

VII - Referências


- The House of Virgin Mary - Vincent Noel Blase Micaleff
- Blog Breviário - rezairezairezai.blogspot.com
- Notas de Viagem - HistoriacomGosto